A notícia em primeira mão: O preço do desenvolvimento econômico está sendo pago na pandemia

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

O preço do desenvolvimento econômico está sendo pago na pandemia

]- A pesquisa observou quase sete mil comunidades animais em seis continentes e descobriu que transformar ecossistemas naturais em assentamentos humanos ou agropecuários destrói espécies maiores. Isso favorece animais menores que tem capacidade rápida de adaptação, que costumam carregar grande quantidade de patógenos potencialmente perigosos para humanos. A investigação descobriu que as populações de criaturas hospedeiras de doenças zoonóticas são até 2,5 vezes maiores em áreas de ecossistemas degradados. Também foi observado que a parcela de espécies animais que carregam esses microorganismos aumentou em até 70% ao comparar com os ambientes não danificados. OS ALARMES JÁ FORAM SOADOS Estamos cada vez sendo afetados com maior freqüência por vírus originados em animais selvagens: HIV, o zika, o vírus Nipah, o sars. Já no princípio da pandemia de covid-19 tanto especialistas quanto a ONU e a OMS alertaram que a causa destas doenças devastadoras deve ser enfrentada: a destruição da natureza. Recentemente, especialistas afirmaram que a pandemia de coronavírus é um um sinal de SOS para a existência humana, enquanto em março especialistas afirmaram que devemos esperar novos tipos de doenças fatais sem a proteção da natureza. AS DESCOBERTAS DO NOVO ESTUDO O novo estudo é inovador em mostrar que a destruição de áreas naturais causa alterações em populações animais elevando a chance de doenças. E sugere que, em locais em que os ecossistemas estão sendo degradados, a vigilância com a saúde deve ser redobrada. “À medida que as pessoas invadem e, por exemplo, transformam uma floresta em terras agrícolas, o que estão fazendo inadvertidamente é aumentar a probabilidade de entrarem em contato com um animal portador de doença”, afirmou David Redding, do Instituto ZSL de Zoologia em Londres, que participou do estudo. O artigo científico foi publicado na prestigiada revista Nature. O proibitivo custo de converter ecossistemas naturais está sendo pago. O cientista afirmou o alto preço da pandemia não foi considerado na decisão de converter ecossistemas naturais: “Você precisa gastar muito mais dinheiro em hospitais e tratamentos”. Outro artigo científico, publicado na revista Science, estima que apenas 2% do preço que estamos pagando atualmente na pandemia evitaria pandemias por dez anos se fosse investido na proteção da natureza. A CULPA É DOS ANIMAIS? “A pandemia de Covid-19 despertou o mundo para a ameaça que as doenças zoonóticas representam para os seres humanos”, afirmou Richard Ostfeld, do Instituto Cary de Estudos de Ecossistemas, EUA, e Felicia Keesing, da Bard College, EUA, em um comentário ao artigo da Nature. “Com esse reconhecimento, houve uma ampla percepção errônea de que a natureza selvagem é a maior fonte de doença zoonótica”, afirmaram os pesquisadores. “[Esta pesquisa] oferece uma correção importante: as maiores ameaças zoonóticas surgem onde as áreas naturais foram convertidas em áreas de cultivo, pastagens e áreas urbanas. Os padrões que os pesquisadores detectaram foram impressionantes”. Morcegos e roedores — animais que carregam muitos patógenos — se reproduzem rapidamente, tem alta adaptabilidade, são diminutos e velozes. Por isso prosperam em áreas naturais devastadas pela atividade humana. Criaturas de vida curta como o rato marrom, por exemplo, investem em ter muitos filhotes ao invés de sobrevivência e sistema imunológico. Ou seja, animais assim podem ter maior tolerância a doenças do que outros animais. O ALTO CUSTO DE UM FORTE SISTEMA IMUNE Um elefante pode ter um filhote a cada dois anos; precisa de um forte e adaptável sistema imune para sobreviver ao alto custo de uma longa gestação e baixa natalidade. Enquanto ratos podem ter 13 filhotes a cada 23 dias ou seja, no mesmo tempo que um elefante tem um filhote um rato marrom pode ter 411. Vidas curtas e imunidade fraca pode levar a muitos patógenos sendo carregados no corpo. O estudo também descobriu que pequenas aves também carregam muitos patógenos e se adaptam bem ao impacto da atividade humana. Elas podem carregar, por exemplo, o vírus chikungunya e vírus do Nilo Ocidental. Humanos devastaram mais de metade das áreas naturais do planeta. Kate Jones, professora da University College London, que participou do estudo afirmou: “Como se prevê que as áreas agrícolas e urbanas continuem se expandindo nas próximas décadas, devemos fortalecer a vigilância de doenças e oferecer assistência médica nessas áreas que sofrem muitas perturbações, pois eles têm cada vez mais probabilidade de ter animais que podem estar hospedando patógenos prejudiciais”. Ou, talvez, deveríamos parar de invadir e devastar de uma vez por todas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) Visitante

Deixe seu comentário.
Assim que o ler, publicarei e o responderei.
Volte para saber a resposta.

* Mas qualquer comentário ofensivo e insultuoso será
ignorado e não será respondido.

¸¸.•´¯`•.¸¸•.¸¸.•´¯`• Um abraço¸¸.•´¯`•.¸¸•.¸¸.•´¯`•

Leia também