A notícia em primeira mão: 01/06/20 - 01/07/20

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Como funcionam as duas vacinas contra covid-19 que serão testadas em brasileiros

 As vacinas estão sendo produzidas no exterior em parceria com órgãos nacionais como parte da corrida global para se achar uma forma de conter a pandemia, que já contaminou mais de 7,5 milhão de pessoas e matou mais de 420 mil no mundo. Nas últimas semanas, duas iniciativas internacionais que estão na última fase de análise clínica anunciaram que usarão voluntários do Brasil - país que tem o segundo maior número de casos de covid-19 confirmados (mais de 800 mil) e o terceiro número de mortes (mais de 40 mil). A primeira é uma iniciativa da universidade britânica de Oxford, com testes começando neste mês envolvendo mil pessoas no Rio de Janeiro e outras mil em São Paulo. Voluntários de 18 a 55 anos que trabalham no setor de saúde estão sendo selecionados pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) em São Paulo e pela Rede D’Or São Luiz e Instituto D’Or (Idor) no Rio de Janeiro. A outra foi anunciada na quinta-feira pelo governo do Estado de São Paulo e será feita em parceria entre a criadora da vacina, a empresa chinesa Sinovac, e o Instituto Butantan, centro de pesquisas ligado à secretaria estadual de Saúde de São Paulo. Segundo a OMS, existem mais de 130 estudos de vacinas contra a covid-19 em andamento no mundo todo, mas apenas dez estão em fases adiantadas de estudo - o que inclui essas duas que serão testadas com voluntários brasileiros. Especialistas indicam que essa fase pode durar seis meses, e que a fase de produção e comercialização pode demorar ainda de 12 a 18 meses. No Brasil, há iniciativas do próprio Instituto Butantan junto com a Fiocruz e também da Universidade de São Paulo para criar uma vacina nacional, mas ambas ainda estão em estágio de análise pré-clínica. VACINA CHADOX1 NCOV19, DE OXFORD A vacina conhecida como ChAdOx1 nCoV-19 é um dos mais avançados experimentos científicos contra o coronavírus no mundo hoje. Ela é feita a partir do ChAdOx1, que é uma versão mais branda de um vírus que causa gripe em chipanzés, com modificações genéticas que impedem que ela se espalhe entre humanos. Material genético foi acrescentado ao vírus ChAdOx1 com a presença de uma proteína chamada glicoproteína de pico. Essa proteína existe na superfície do coronavírus e desempenha um papel fundamental no processo de contaminação, pois ela se liga a receptores presentes nas células humanas para invadi- -las e causar a infecção. O objetivo da vacina de Oxford é fazer com que o sistema imunológico do corpo humano reconheça a glicoproteína de pico e crie uma defesa contra ela. Uma parcela dos voluntários vai receber uma outra vacina, usada comumente contra meningite, que provoca sintomas parecidos. Este será o grupo de controle, usado para comparar e contrastar as duas vacinas. Os voluntários não serão informados sobre qual vacina estão recebendo. Eles vão preencher pela internet um diário ao longo de sete dias relatando seus sintomas, e serão monitorados por três semanas para qualquer mal-estar. Eles farão exames de sangue constantes para determinar se a vacina está sendo eficaz em produzir uma resposta imunológica. A universidade britânica disse que o Brasil é prioridade na última fase de estudos “por causa da sua curva ascendente de covid-19”. Além dos 2 mil brasileiros, também participam do estudo 10 mil britânicos e 30 mil americanos. Enquanto a universidade trabalha na ponta da pesquisa científica, ela também negocia a parte de produção em massa da vacina. A multinacional AstraZeneca, que apoia as pesquisas, diz que terá capacidade de produzir até 1 bilhão de doses da vacina de Oxford, tendo já firmado convênios para produzir até 400 milhões de doses. CORONAVAC DA SINOVAC A Sinovac Biotech é uma empresa privada com sede em Pequim que possui experiência na produção de vacinas contra febre aftosa, hepatite e gripe aviária. A empresa conseguiu logo cedo na pandemia criar uma vacina que impediu o contágio de macaco-rhesus com covid-19. Oito animais receberam duas doses da vacina CoronaVac. Três semanas eles foram expostos ao coronavírus e nenhum deles pegou covid-19. A empresa criou anticorpos específicos que agem para neutralizar o coronavírus, que segundo a foram bem-sucedidos em neutralizar dez cepas do coronavírus. Um estudo foi publicado com revisão por pares na revista científica Science no dia 6 de maio. O estudo com macacos mostrou que os animais que receberam doses maiores da vacina tiveram melhor resposta contra vírus. O estudo despertou algumas críticas de outros especialistas na área. Segundo a revista Science, o professor Douglas Reed, da Universidade de Pittsburg, que também está testando vacinas contra o coronavírus em macacos, levantou dúvidas sobre o baixo número estatístico de testes da Sinovac, que seria insuficiente para se tirar conclusões maiores. Ele também afirmou que a forma como o coronavírus foi usado no laboratório pode ter provocado algumas mudanças que o tornaram menos contagioso nos testes. Outra preocupação levantada é a de que os macacos não apresentam sintomas tão extremos de covid-19 como humanos. Mas outros cientistas elogiaram a iniciativa. “Eu gostei [do estudo]”, disse Florian Krammer, virologista da Icahn School of Medicine, de Nova York, para a Science. “Isso é um jeito antigo [de criar vacinas] mas pode dar certo. O que eu mais gostei é que muitos produtores de vacina, até em países de baixa e média renda, conseguiriam produzir uma vacina assim.” Desde então, muito já se evoluiu no estudo da CoronaVac. Os primeiros testes com humanos começaram na China no dia 16 de abril. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que o Brasil pretende ajudar não só na fase de desenvolvimento do CoronaVac, como também na produção e comercialização em território brasileiro da vacina. A Sinovac está construindo uma fábrica na China que, segundo a empresa, terá capacidade para produzir 100 milhões de doses da CoronaVac por ano. A empresa chinesa diz que, ao firmar o convênio, o “Instituto Butantan poderá assegurar que a população brasileira terá acesso a essa vacina”

sábado, 13 de junho de 2020

Governo de Goiás e OVG distribuem máscaras a usuários do transporte coletivo

A máscara tem sido um acessório fundamental para diminuir os riscos de contaminação pelo coronavírus. Para incentivar o uso, o Governo de Goiás, por meio da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), distribuiu nesta terça-feira (9/6), o equipamento de proteção em cinco terminais de ônibus de Goiânia. A iniciativa é uma das ações da Campanha de Combate à Propagação do Coronavírus. As equipes da OVG entregaram 14.400 máscaras de tecido doadas pela Cia. Hering aos usuários do transporte coletivo nos terminais Novo Mundo, Padre Pelágio, das Bandeiras, Cruzeiro e Praça da Bíblia. A doação foi feita pela indústria têxtil à campanha no último mês de maio. Na ocasião, foram entregues 300 mil unidades. Trabalhadora da área de construção civil, Maria Ribeiro dos Santos elogiou a iniciativa. “Nós, que precisamos andar de ônibus, corremos mais riscos de ser contaminados. Foi ótima essa ideia porque precisamos usar máscaras todos os dias”. Moradora do Residencial Mansões Paraíso, Tânia Regina Martins recebeu a máscara no Terminal Padre Pelágio ao voltar para sua residência. Ela também gostou de ganhar o equipamento de proteção individual. “Como estou procurando emprego, ando todos os dias de ônibus, na rua, então preciso sempre me proteger. Essa ajuda é muito importante neste momento tão arriscado que estamos vivendo”, reconheceu. A diretora-geral da OVG, Adryanna Melo Caiado, diz que a distribuição nos terminais foi uma forma de ajudar a proteger as pessoas que estão mais suscetíveis a ter contato com o vírus. “O uso da máscara é uma medida recomendada pelo Ministério da Saúde e é a melhor forma de diminuir o contágio pela Covid-19, já que ainda não temos a vacina. E para os usuários do transporte coletivo o item é imprescindível por estarem mais próximos uns dos outros”. A presidente de honra da OVG e coordenadora do GPS, primeira-dama Gracinha Caiado, agradeceu a parceria da Hering na ação de prevenção à Covid-19. “Felizmente temos recebido o apoio de inúmeros parceiros que contribuem para diminuir o impacto causado por essa pandemia. A Hering é um deles. Essas máscaras fazem a diferença para quem está passando dificuldade econômica. Muitos se deslocam para trabalhar ou procurar emprego e precisam dessa proteção e não têm condições de comprar”

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Governo de Goiás cria linha de crédito específica para guias de turismo

O Governo de Goiás, por meio da GoiásFomento e Goiás Turismo, anuncia a criação da linha crédito GF Turismo Microcrédito Orientado Guias de Turismo, que será operacionalizado com recursos do Fundo Geral de Turismo (Fungetur), repassados pelo Ministério do Turismo. Essa modalidade vai financiar o capital de giro dessa categoria de profissionais em Goiás. Os beneficiados devem estar inscritos e regulares no Sistema Nacional de Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur) até o dia 31 de março último. Inicialmente, por determinação do governador Ronaldo Caiado, a GoiásFomento vai disponibilizar R$ 1,4 milhão para esta nova linha de crédito. O valor a ser financiado é de até R$ 8 mil por tomador. Os interessados serão encaminhados ao Sebrae Goiás para receber orientação e capacitação profissional. A linha de crédito GF Turismo Microcrédito Orientado Guias de Turismo terá encargos financeiros de 2,5% ao ano mais INPC. O prazo de pagamento é de até 48 meses, incluindo até 12 meses de carência. Para pleitear o empréstimo, o guia de turismo deve estar inscrito como MEI-Microempreendedor Individual. Os recursos do financiamento serão liberados em até oito parcelas iguais e consecutivas, durante o período de carência. O tomador de crédito poderá utilizar até 80% de garantia complementar do Fundo de Aval das Micro e Pequenas Empresas (Fampe) do Sebrae, que também é operacionalizado pela Agência de Fomento. MAIS RECURSOS O presidente da GoiásFomento, Rivael Aguiar, informa que, além da linha de crédito para os guias de turismo, a instituição financeira assinou contrato com o Ministério do Turismo, para a liberação de R$ 11 milhões do Fungetur. Esse montante será destinado às linhas de crédito já existentes voltadas ao setor turístico no Estado. Ao todo a agência disponibiliza R$ 26 milhões para este segmento. Rivael Aguiar ressaltou a atuação do presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, junto ao Ministério do Turismo, para a captação da verba para Goiás. “O turismo é uma das atividades econômicas mais afetadas pela pandemia da Covid-19 e será um dos setores que enfrentará maiores dificuldades para sua retomada. É justo que os empreendedores turísticos recebam atenção especial do Governo de Goiás, através GoiásFomento e Goiás Turismo”, declara. No início de maio último, a instituição financeira, por meio de contrato com o Ministério do Turismo, passou a oferecer taxa de juros menor e carência estendida na linha de crédito GoiásFomento Fungetur Giro Puro, destinada a micro, pequenas e médias empresas do setor turístico. O presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, informou que poucos Estados conseguiram os recursos do Fungetur. “Fizemos uma forte articulação junto ao Governo Federal e, com isso, vamos beneficiar as pessoas que vivem do Turismo e minimizar a situação difícil que estão enfrentando, oferecendo as linhas de crédito com carência de longo prazo”, afirmou. Atendendo às recomendações do Governo de Goiás para evitar aglomerações de pessoas em espaços públicos devido à pandemia da Covid-19, Rivael Aguiar informa que o atendimento aos clientes da GoiásFomento está sendo realizado pelo telefone (62) 3216-4900, no horário das 9 às 17 horas, de segunda a sexta-feira; ou pelo e-mail atendimento@ goiasfomento.com. Mais informações a respeito das linhas de crédito disponíveis podem ser verificadas no site www. goiasfomento.com, onde está disponível uma cartilha de teleatendimento.

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Notícia de Águas Lindas – Programa Morar Legal beneficiará mais de 10 mil famílias em Águas Lindas

Desde o início da sua gestão, o prefeito Hildo do Candango assumiu o
compromisso de regularizar 36 bairros de Águas Lindas através do Programa
Morar Legal para proporcionar mais segurança jurídica e dignidade para todos
os moradores.
Atualmente, o Morar Legal é considerado o maior programa de regularização
fundiária da região e beneficiará mais de 10 mil famílias da cidade que residem
em áreas irregulares, entregando a posse legal de seus terrenos a um custo
zero para a população carente.
Os moradores dos bairros Santa Lúcia, Jardim Pérola I, Jardim Alterosa,
Jardim Brasília II, Recreio Águas Lindas I e II, Jardim Recanto e Águas Bonitas
II já foram contemplados pelo programa.
Esse projeto é um sonho antigo dos moradores de Águas Lindas e sempre foi
um grande objetivo do prefeito Hildo do Candango. O gestor municipal
destacou a importância desse programa fundiário.
“Na próxima semana realizaremos a solenidade e daremos início à entrega de
mais de 2 mil certificados dos bairros Park das Águas Bonitas II, Jardim Pepita,
Recreio Águas Lindas I, II e III, Jardim Águas Lindas e Jardim Recanto.
Costumo dizer que mais do que papéis, estaremos entregando o sonho de
muitos moradores que não tinham a garantia constitucional do direito do seu
próprio imóvel e a partir de agora receberão as escrituras das suas casas em
mãos”, disse o prefeito.
O evento será transmitido ao vivo pelas redes sociais da Prefeitura de Águas
Lindas e do prefeito Hildo do Candango na próxima terça-feira (16) ás 20h.
Devido à pandemia da Covid-19, a entrega dos certificados ocorrerá a partir da
próxima quarta-feira (17) seguindo os protocolos de segurança contra o vírus
para proteger as famílias beneficiadas pelo programa.

terça-feira, 9 de junho de 2020

Quase 10 mil doações de sangue durante a pandemia

Mesmo na pandemia do novo coronavírus, que manteve boa parte das pessoas resguardadas em casa, os doadores de sangue do Distrito Federal e do Entorno mantiveram o propósito de doar sangue. Desde o início da quarentena até agora, a Fundação Hemocentro de Brasília coletou pouco mais de 9.900 bolsas de sangue. No primeiro bimestre de 2020, a média de doações foi de 155 bolsas por dia; após a pandemia, o índice é de 150 coletas diárias. O Hemocentro de Brasília vai celebrar o Dia Mundial do Doador de Sangue (14 de junho) por meio das redes sociais, agradecendo a doadores e apoiadores que não deixaram de fazer o bem nesse período. “Nós queremos reconhecer todos que contribuíram de alguma forma para manter a assistência aos pacientes da rede pública e conveniada do DF. Os doadores são as grandes estrelas, mas também contamos com o apoio de pessoas e entidades que incentivaram o gesto solidário mobilizando voluntários ou doando serviços e materiais”, enumera Okumoto. Mesmo com o comparecimento do público, as doações de sangue precisam continuar regulares para que as reservas não fiquem comprometidas. Por isso, a campanha também vai lembrar ao público a importância de ser um doador frequente e continuar comparecendo ao Hemocentro para que os estoques não baixem. Desde a declaração de pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o Hemocentro adotou medidas de precaução para garantir a segurança ao doador de sangue. As rotinas de limpeza e desinfecção das áreas comuns se tornaram mais frequentes, e o espaço entre as cadeiras das salas de espera e as da sala de coleta foi ampliado. Outra medida de segurança foi reduzir a quantidade de pessoas em grupo – de 40 para 10 vagas. Quando há mais interessados, eles são distribuídos em outro dia ou horário. Para grupos de pelo menos 10 pessoas, o Hemocentro de Brasília disponibiliza transporte gratuito para fazer o trajeto de ida e volta entre a fundação e qualquer ponto do Distrito Federal. Os veículos não circulam com lotação máxima, para que os ocupantes mantenham distância entre si

segunda-feira, 8 de junho de 2020

Notícia de Goiás – Com queda no isolamento social sobe o número de contaminados pela Covid-19 em Goiás

Goiás chegou ao último lugar no país num ranking que mede o isolamento
social. O estado goiano que já esteve entre os líderes de isolamento vem
registrando os menores índices entre todos os estados brasileiros, com 37,44%
de pessoas dentro de casa, ocupando a lanterna do ranking.
Essa situação tem preocupado as autoridades, pois os casos confirmados de
mortes pelo novo vírus continuam a subir, e os casos de pessoas infectadas
também.
De acordo com o último balanço da Secretaria Estadual de Saúde, Goiás contabiliza
6.149 casos confirmados e 173 óbitos. No Estado, há ainda 29.599 casos
suspeitos em investigação. Outros 14.524 já foram descartados. Há 29 óbitos
suspeitos que estão em investigação.
Dos 246 municípios em Goiás, 151 têm moradores com Covid-19 e 74
possuem casos suspeitos. Apenas 21 cidades não têm nenhum caso
confirmado ou em investigação de Covid-19.
Os municípios do Entorno do Distrito Federal continuam sendo uma das
maiores preocupações dos gestores municipais e estaduais. Além da
proximidade com a Capital Federal que registra muitos casos, a região é
carente em número de leitos de UTI.
O presidente da Associação dos Municípios Adjacentes à Brasília (AMAB) e
prefeito de Águas Lindas de Goiás, Hildo do Candango ressaltou a importância
do isolamento social para assegurar a saúde da população.
“Os estudos feitos pela Universidade Federal de Goiás (UFG) já previam um
aumento no número de casos de Covid-19, à medida que houvesse redução no
isolamento da população. É importante ressaltar que quanto menor for o índice
de isolamento, maiores são as chances de contaminação pelo coronavírus.
Como presidente da AMAB, estou orientando todos os prefeitos e prefeitas do

Entorno a intensificarem as fiscalizações comerciais para protegermos a saúde
de todos, caso contrário, esse aumento das atividades comerciais, sem a
manutenção do isolamento, poderá contribuir para uma piora do cenário”,
declarou.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o isolamento
social ainda é a melhor forma de frear a disseminação do vírus. A
organização publicou um documento que traz uma série de
recomendações e alertas, propondo que critérios sejam atendidos antes
de flexibilizar a quarentena.
Entre os pontos sugeridos estão: transmissão do vírus controlada; sistemas de
saúde com capacidade de detectar, testar, isolar e tratar todas as pessoas com
coronavírus e seus contatos mais próximos; controle de surtos em locais
especiais, como instalações hospitalares; medidas preventivas de controle em
ambientes de trabalho, escolas e outros lugares onde as pessoas precisam ir;
manejo adequado de possíveis novos casos importados e; comunidade
engajada com medidas de higiene e novas normas.

domingo, 7 de junho de 2020

Cerca de 450 mil pessoas ainda não se vacinaram contra Influenza em Goiás

Cerca de 450 mil goianos que integram os grupos prioritários ainda não se vacinaram contra a Influenza (gripe) no território goiano. Para essas pessoas, o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), prorroga até o dia 30 de junho a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Essa etapa se destina aos indivíduos não vacinados daqueles grupos: crianças de 6 meses a 5 anos de idade, gestantes, trabalhadores em saúde, puérperas (mulheres de até 45 dias após o parto), idosos, adultos de 55 a 59 anos, pessoas com deficiência, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e condições clínicas especiais, membros das forças de segurança, caminhoneiros e motoristas de transporte coletivo, funcionários do sistema prisional, privados de liberdade, indígenas e professores. Desde o início da campanha de vacinação contra gripe, já foram aplicadas 1.727.480 doses da vacina contra Influenza em Goiás, segundo dados Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. A meta é imunizar 90% dos grupos prioritários, ou seja, 2.186.183 pessoas. A SES-GO recebeu 2.429.200 doses, que foram encaminhadas aos 246 municípios do Estado. A previsão é de receber mais 16 mil doses, ainda esta semana, do Ministério da Saúde. Três grupos já atingiram, inclusive ultrapassando, essa meta de90%: profissionais de saúde, com uma cobertura vacinal de 100%; indígenas, 200%; e idosos, 123%. As coberturas nas outras categorias estão abaixo da meta, como crianças, 45%; gestantes, 69%; puérperas, 73%; e adultos, 39%. Os dados são do A gerente de Imunização da SES-GO, Joice Dorneles, afirma que a vacina é importante para reduzir complicações e óbitos decorrentes dos vírus da influenza. Por isso, pessoas dos grupos prioritários devem ser vacinadas. Ela lembra que as pessoas ainda não vacinadas podem procurar os postos de saúde espalhados nos 246 municípios goianos. Segundo Joice, a SES- -GO, juntamente com as Secretarias Municipais de Saúde, vem adotando recomendações e medidas a fim de evitar aglomerações, como vacinação em espaços amplos, distanciamento entre as pessoas nas filas, utilização de máscara tanto pelos profissionais quanto pelos usuários, entre outras. CORONAVÍRUS A vacina contra influenza não tem eficácia contra o coronavírus que causa a Covid-19, porém, neste momento, irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para a doença, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde. Ela protege contra os vírus A/H1N1, A/H2N3 e B, responsáveis pelos surtos de gripe registrados no País. A doença diminui a imunidade do organismo e pode ser uma porta aberta para o contágio pelo coronavírus. Ao ir ao posto, além da identidade (RG) e cartão de vacinação, os integrantes dos grupos prioritários devem apresentar outros documentos. As puérperas devem apresentar atestado que comprove a sua condição, como a certidão de nascimento do filho ou o cartão de gestante. Já os professores, trabalhadores da saúde, caminhoneiros, motoristas do transporte coletivo e profissionais das forças de segurança e salvamento devem apresentar documento pessoal e documento que comprove vínculo ou categoria profissional, como o contracheque ou o crachá. Para as pessoas que vivem com doenças crônicas, é necessário apresentar uma prescrição médica.

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Famílias carentes recebem cestas básicas, cobertores e máscaras

O Governo do Distrito Federal (GDF) lançou a campanha de doação de alimentos, máscaras e outros recursos importantes para famílias em situação vulnerável neste período de pandemia. A Administração Regional do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), com o esforço da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Defesa Civil, Secretaria de Governo (Segov) e Secretaria das Cidades entregaram mais de 300 cestas básicas, 2 mil máscaras e cobertores, no SIA e Saan. “Neste momento de pandemia, muitas famílias estão passando por dificuldades. Esse foi um esforço conjunto do GDF para dar essa ajuda tão importante às famílias que mais precisam”, ressaltou a administradora regional do SIA, Luana Machado.

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Notícia de Águas Lindas e Entorno – Hospital de Campanha de Águas Lindas será inaugurado para atender pacientes com Covid-19

O Hospital de Campanha de Águas Lindas será inaugurado nesta sexta-feira
(5) e contará com a presença do prefeito Hildo do Candango, governador de
Goiás, Ronaldo Caiado, presidente da República, Jair Bolsonaro e
representantes do Ministério da Saúde.
A estrutura de 5 mil m² foi instalada no setor Mansões Olinda, localizado na
região central da cidade. Os trabalhos iniciais de terraplanagem, roçagem
manual e mecânica, e instalações elétricas ficaram por conta do município.
Todo o restante das instalações ficou sob responsabilidade da União.
A previsão inicial era de que seria construído em 15 dias e seriam necessários
mais 15 para colocar a unidade em funcionamento, sendo uma semana para a
contratação da Organização Social (OS) para gerir o hospital e outra semana
para a entidade contratar pessoal e dar início à operação. No entanto, um
conjunto de forças acabou atrasando esse processo.
“A parte de obras terminou no prazo adequado, que era em torno de 15 a 20
dias. Depois entrou na situação de contratos, essa situação se perdurou em um
tempo maior porque era um fato novo envolvendo diversos entes, além dos
tramites burocráticos para acontecer o repasse dessa estrutura para o
Estado”, destacou o prefeito Hildo do Candango.
No dia 14 do mês passado, a SES-GO afirmou que havia recebido na semana
anterior um documento do Ministério da Saúde informando que o estado estava
autorizado a "adotar as providências para o funcionamento pleno do hospital",
como "iniciar as tratativas para a estruturação da gestão com equipamentos,
insumos, recursos humanos e medicamentos". Com essa autorização, o
governo de Goiás começou tramitar internamente o processo de contratação
da OS.
Nesta segunda-feira (1), a Secretaria de Saúde de Goiás iniciou os
treinamentos dos profissionais e de fluxos de atendimento no Hospital de
Campanha. A unidade conta com 200 leitos e iniciará o atendimento com 60,

sendo 50 leitos de enfermaria e 10 leitos de Unidades de Terapia Intensiva
(UTIs). Os outros leitos serão disponibilizados conforme a necessidade.
O presidente da Associação dos Municípios Adjacentes à Brasília (AMAB) e
prefeito de Águas Lindas de Goiás, Hildo do Candango destacou a importância
dessa construção para os municípios do Entorno.
“Atualmente a região do Entorno sofre com a fragilidade da saúde pública. O
aumento do número de casos nos municípios adjacentes à Brasília superlotaria
os hospitais e colocaria em risco a saúde da população. Esse Hospital de
Campanha nos ajudará a salvar vidas. Hoje os pacientes que precisam de
atendimento de alta complexidade são direcionados para Brasília ou para
Goiânia. Poder atendê-los em nossa região vai melhorar muito essa logística
do transporte e do tratamento do paciente”, declarou.
A unidade atenderá pacientes diagnosticados com Covid-19 de pelo menos
sete municípios do Entorno do Distrito Federal: Águas Lindas de Goiás, Santo
Antônio, Valparaíso de Goiás, Novo Gama, Luziânia, Cidade Ocidental e
Cristalina. Juntos, os municípios tem uma população estimada em mais de 1,2
milhão de habitantes.

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Promotor de Justiça cobra plano para impedir aglomerações na temporada do Rio Araguaia

MP-GO - O Ministério Público de Goiás (MP-GO) encaminhou nesta segunda-feira (1º/6) ofício à Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), à Goiás Turismo e ao município de Aruanã, requisitando informações sobre as medidas de isolamento social previstas para a temporada de praias do Rio Araguaia. Os ofícios da Promotoria de Justiça de Aruanã foram enviados à secretária estadual, Andrea Vulcanis; ao presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, e ao prefeito Hermano de Carvalho. O promotor Augusto Henrique Moreno Alves solicita informações sobre as providências que serão adotadas para impedir a aglomeração de pessoas, em razão da situação epidemiológica ocasionada pelo coronavírus. Ele destaca ainda que, segundo pesquisa coordenada pela Universidade Federal de Goiás (UFG), a região do Rio Vermelho foi apontada como a que tem um dos piores índices de isolamento social do Estado. O estudo indica também que julho poderá ser considerado o mês de pico da doença, caso se mantenha o cenário vermelho. No documento, Augusto Moreno destaca preocupação em razão do possível acréscimo de turistas no Araguaia e da omissão das autoridades públicas em permitirem esta situação. Desse modo, no ofício encaminhado à Semad, foram solicitadas ainda informações sobre a efetivação de ato normativo da secretaria impedindo a realização de pesca turística no Rio Araguaia, especificamente no período de temporada (julho/2020). Ao município, foram também requisitadas informações quanto às medidas de restrição de acesso aos rios, principalmente por turistas, assim como a comprovação do regime sancionatório nos casos de descumprimento do Decreto Estadual nº 9.653/20, conforme acordado na última reunião do Comitê de Risco, que contou com a participação do membro do MP-GO. Por fim, caso o município não tenha adotado qualquer providência, o promotor requisita que sejam implementadas imediatamente barreiras físicas de acesso aos rios e limitações administrativas de uso, no caso de imóveis ribeirinhos que possuam portos, com o impedimento de uso dessas estrutu

terça-feira, 2 de junho de 2020

Notícia de Águas Lindas – Unidos no combate ao mosquito da dengue

Atualmente toda nossa atenção está voltada para o novo coronavírus, mas não
podemos nos esquecer de outra doença que também tem feito vítimas fatais, a
dengue. A população águaslindense precisa ficar mais atenta aos cuidados de
prevenção para combater a proliferação do mosquito transmissor.
Em 2019 foram notificados mais de 4300 casos de dengue. Destes 1567 foram
confirmados. Neste ano já foram notificados mais de 2000 casos e 572
testaram positivo para dengue.
O maior problema e o que mais preocupa as autoridades de saúde hoje, é que
o período de pico de propagação da dengue deste ano está coincidindo com
outras duas doenças, o da gripe Influenza H1N1 e do coronavírus, tornando
assim um desafio para o governo que terá que combater as três doenças ao
mesmo tempo.
Diante desse cenário, para evitar que a dengue seja mais outra preocupação
aos munícipes, o prefeito Hildo do Candango está orientando a população a
limpar os possíveis focos dentro de casa.
“Temos que nos prevenir, assim como existem os cuidados básicos contra o
coronavírus, existem as ações para combater o mosquito da dengue. Não
deixe água parada, faça uma limpeza em seu quintal e evite que a dengue
entre em sua casa. São atitudes simples que podem salvar vidas”, declarou.
É importante ressaltar que esse trabalho também precisa ser feito fora de casa.
Não adianta limpar o seu quintal e jogar o lixo no meio da rua ou em um terreno
baldio. A Prefeitura de Águas Lindas por meio da Secretaria Municipal de
Saúde está fiscalizando casas e terrenos na tentativa de diminuir a proliferação
do mosquito da dengue na cidade.
“A conscientização é fundamental para que o número de casos pare de
aumentar. Coronavírus mata, mas dengue também. Precisamos da ajuda da
população para combater também esse mal”, declarou o vice-prefeito, Luiz
Alberto Jiribita.

GDF recebe doação de hipoclorito de sódio

Nesta semana a Secretaria de Governo do DF recebeu mais uma doação de hipoclorito de sódio, produto usado nas ações do Programa Sanear DF, que desinfecta locais públicos e de grande circulação em todas as regiões administrativas do Distrito Federal. Desta vez, a rede de supermercados Big Box doou 200 litros do produto concentrado, quantidade suficiente para ser usada durante um mês das ações do Sanear DF, segundo Edgar Rodrigues, diretor da Vigilância Ambiental. Esta foi a segunda doação de hipoclorito que o GDF recebe neste mês. As duas doações juntas equivalem a dois meses de trabalho do programa que visa combater a proliferação da covid-19. O Secretário Executivo das Cidades, Fernando Leite, afirma que tem sido fundamental contar com o apoio da sociedade civil nas ações dos órgãos do Executivo local para enfrentar a pandemia. Para ele, a cooperação entre os entes público e privado faz grande diferença de forma a melhorar a política pública. “Neste difícil momento da nossa história, o grupo BigBox/UltraBox tem por objetivo precípuo ajudar no que for possível em atitudes que levem a minimizar os efeitos da pandemia que nos acomete hoje, mas que vai passar. Portanto, estamos juntos e orgulhosos do Governador Ibaneis e de seu excelente corpo de secretariado: sempre visando ao progresso e ao desenvolvimento do nosso DF!”, afirmou Mário Habka, empresário da rede

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Hospital de Campanha de Águas Lindas será inaugurado nesta quinta- feira

O primeiro Hospital de Campanha montado pelo Governo Federal será
inaugurado nesta quinta-feira (4) às 9h da manhã e contará com a presença do
prefeito de Águas Lindas de Goiás, Hildo do Candango, governador de Goiás,
Ronaldo Caiado e representantes do Ministério da Saúde.
A unidade conta com 200 leitos e iniciará o atendimento com 60, sendo 50
leitos de enfermaria e 10 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Os
outros leitos serão disponibilizados conforme a necessidade.
O novo hospital vai atender pacientes diagnosticados com Covid-19 de pelo
menos sete municípios do Entorno: Águas Lindas de Goiás, Santo Antônio,
Valparaíso de Goiás, Novo Gama, Luziânia, Cidade Ocidental e Cristalina.
Juntos, os municípios têm uma população estimada em 1,2 milhão de
habitantes.

Notícia do Entorno – Municípios do Entorno registram aumento expressivo de contaminados por Covid-19

Desde o início da pandemia, o presidente da Associação dos Municípios
Adjacentes à Brasília (AMAB) e prefeito de Águas Lindas de Goiás, Hildo do
Candango representando os 33 municípios adotou diversas ações enérgicas e
proativas pautadas em critérios científicos para frear a curva da disseminação
da doença e assegurar a saúde de todos os moradores do Entorno do Distrito
Federal.
Em um mês, os 33 municípios que compõem a Região Integrada de
Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride) registraram um aumento expressivo
de contaminados pelo novo coronavírus. Havia 100 casos confirmados no
primeiro dia de maio. O número subiu para 921 no último fim de semana do
mês.
Casos de Covid-19 no Entorno do Distrito Federal
Abadiânia (2), Águas Lindas de Goiás (199), Alexânia (4), Barro Alto (7),
Cidade Ocidental (59), Cocalzinho de Goiás (6), Cabeceiras (1), Corumbá de
Goiás (1), Cristalina (7) Formosa (24), Goianésia (34), Luziânia (102),
Niquelândia (3), Novo Gama (69), Pirenópolis (5), Planaltina de Goiás (69),
Padre Bernardo (46) Santo Antônio (110), São João d’Aliança (2), Valparaíso
de Goiás (130) e Unaí (61). Nas quatro cidades mineiras da Ride,
só Unaí registrou casos confirmados da Covid-19.
Óbitos por Covid-19 no Entorno do Distrito Federal
Os 33 municípios goianos e mineiros que compõem a Região Integrada de
Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride) tem 36 óbitos
confirmados. As mortes foram registradas nas cidades de Águas Lindas (4),
Barro Alto (1), Cabeceiras (1), Cidade Ocidental (3), Cristalina (1), Formosa (2),
Goianésia (3), Luziânia (4), Novo Gama (4), Planaltina de Goiás (4), Padre
Bernardo (4) Santo Antônio (2), São João d’Aliança (1), Valparaíso de Goiás
(2).

O primeiro Hospital de Campanha montado pelo Governo Federal será
inaugurado nesta semana e atenderá os pacientes do novo coronavírus do
Entorno. A unidade tem 200 leitos e iniciará o atendimento com 60, sendo 50
leitos de enfermaria e 10 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Os
outros leitos serão disponibilizados conforme a necessidade.
O presidente da AMAB e prefeito de Águas Lindas, Hildo do Candango
ressaltou a importância desta unidade para assegurar a saúde da população do
Entorno.
“Como presidente da AMAB, tenho unido forças para combater a doença na
nossa região e evitar o colapso do sistema de saúde nos municípios adjacentes
á Brasília. Essa unidade ajudará a assegurar a saúde de mais de 1,2 milhão de
habitantes do Entorno do Distrito Federal. Esse momento exige a mobilização
de todos nós no enfretamento da Covid-19”, declarou Hildo.

Leia também