A notícia em primeira mão

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Hospital Geral de Palmas completa 15 anos de assistência aos usuários do SUS

 Maior referência em saúde do Tocantins e da região Norte, o Hospital Geral de Palmas (HGP) completa 15 anos, no mês de agosto, ofertando assistência em média e alta complexidade à população usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) dos 139 municípios tocantinenses e de estados vizinhos. Inaugurado em 10 de agosto de 2005, o HGP iniciou as atividades com 160 leitos cadastrados e 146 médicos. Ofertava somente um serviço de cardiologia sem alta complexidade e uma neurocirurgia que ainda precisava encaminhar pacientes com casos complexos para a capital goiana. Atualmente, a unidade já conta com mais de 37 especialidades e oferta diversos serviços aos usuários. O HGP chama atenção pelos números. De acordo com o Escritório da Qualidade do hospital, só em 2019, foram 10.342 cirurgias, 42.526 atendimentos ambulatoriais, 31.170 atendimentos de urgência e emergência e 16.312 internações. No primeiro semestre de 2020, levando em conta a pandemia causada pelo novo Coronavírus, foram 4.611 cirurgias, 8.671 atendimentos de urgência e emergência, 5.827 internações e 16.115 consultas ambulatoriais. O Hospital Geral dispõe de 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica; 26 de UTI adulto; 22 de Unidade de Cuidados Intensivos (UCI); seis na Sala Vermelha; 14 na Sala Amarela; seis na Unidade do AVC; e 322 leitos de internação. E, com a pandemia, foram disponibilizados 20 leitos de UTI/Covid e 20 leitos clínicos/Covid. Segundo o diretor-geral do HGP, Leonardo Toledo, a unidade teve uma evolução significativa nesses 15 anos em novos serviços, mais especialidades, estrutura física no sentido de ofertar um atendimento de qualidade ao usuário que necessita da assistência de saúde no Estado

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Planaltina ganha Centro Interescolar de Línguas (CIL) para 3,5 mil alunos

 A comunidade de Planaltina ganhou um novo Centro Interescolar de Línguas – CIL 01. A entrega simbólica da unidade contou com a presença do governador Ibaneis Rocha e profissionais de educação que ajudaram a concretizar o projeto. Com as novas instalações, o CIL viu sua capacidade de atendimento aumentar de 700 para 3.500 alunos. Essa ampliação só foi possível porque o centro de ensino mudou de endereço. Se nos últimos cinco anos funcionou de forma improvisada no Centro de Ensino Fundamental (CEF) 8, agora, com instalações novinhas em folha, ocupa uma área de 850 m² bem no centro da cidade, no Setor Educacional, Lote C, na Praça do Estudante. O novo CIL é dividido em três blocos: um com 12 salas de aula, com 23 m² cada, entre outros; o bloco administrativo; e o bloco externo de banheiros para os estudantes, com acessibilidade. Toda essa estrutura faz parte de um complexo escolar da região, onde já funcionam o Centro de Ensino Fundamental 04, a Biblioteca Escolar Comunitária Monteiro Lobato, uma agência do Banco de Brasília (BRB) e a Coordenação Regional de Ensino (CRE), promovendo uma maior integração de ensino na região administrativa. A reforma beneficia estudantes do 6º ano ao Ensino Médio, da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e da Educação Especial nos idiomas inglês, francês e espanhol.

O preço do desenvolvimento econômico está sendo pago na pandemia

]- A pesquisa observou quase sete mil comunidades animais em seis continentes e descobriu que transformar ecossistemas naturais em assentamentos humanos ou agropecuários destrói espécies maiores. Isso favorece animais menores que tem capacidade rápida de adaptação, que costumam carregar grande quantidade de patógenos potencialmente perigosos para humanos. A investigação descobriu que as populações de criaturas hospedeiras de doenças zoonóticas são até 2,5 vezes maiores em áreas de ecossistemas degradados. Também foi observado que a parcela de espécies animais que carregam esses microorganismos aumentou em até 70% ao comparar com os ambientes não danificados. OS ALARMES JÁ FORAM SOADOS Estamos cada vez sendo afetados com maior freqüência por vírus originados em animais selvagens: HIV, o zika, o vírus Nipah, o sars. Já no princípio da pandemia de covid-19 tanto especialistas quanto a ONU e a OMS alertaram que a causa destas doenças devastadoras deve ser enfrentada: a destruição da natureza. Recentemente, especialistas afirmaram que a pandemia de coronavírus é um um sinal de SOS para a existência humana, enquanto em março especialistas afirmaram que devemos esperar novos tipos de doenças fatais sem a proteção da natureza. AS DESCOBERTAS DO NOVO ESTUDO O novo estudo é inovador em mostrar que a destruição de áreas naturais causa alterações em populações animais elevando a chance de doenças. E sugere que, em locais em que os ecossistemas estão sendo degradados, a vigilância com a saúde deve ser redobrada. “À medida que as pessoas invadem e, por exemplo, transformam uma floresta em terras agrícolas, o que estão fazendo inadvertidamente é aumentar a probabilidade de entrarem em contato com um animal portador de doença”, afirmou David Redding, do Instituto ZSL de Zoologia em Londres, que participou do estudo. O artigo científico foi publicado na prestigiada revista Nature. O proibitivo custo de converter ecossistemas naturais está sendo pago. O cientista afirmou o alto preço da pandemia não foi considerado na decisão de converter ecossistemas naturais: “Você precisa gastar muito mais dinheiro em hospitais e tratamentos”. Outro artigo científico, publicado na revista Science, estima que apenas 2% do preço que estamos pagando atualmente na pandemia evitaria pandemias por dez anos se fosse investido na proteção da natureza. A CULPA É DOS ANIMAIS? “A pandemia de Covid-19 despertou o mundo para a ameaça que as doenças zoonóticas representam para os seres humanos”, afirmou Richard Ostfeld, do Instituto Cary de Estudos de Ecossistemas, EUA, e Felicia Keesing, da Bard College, EUA, em um comentário ao artigo da Nature. “Com esse reconhecimento, houve uma ampla percepção errônea de que a natureza selvagem é a maior fonte de doença zoonótica”, afirmaram os pesquisadores. “[Esta pesquisa] oferece uma correção importante: as maiores ameaças zoonóticas surgem onde as áreas naturais foram convertidas em áreas de cultivo, pastagens e áreas urbanas. Os padrões que os pesquisadores detectaram foram impressionantes”. Morcegos e roedores — animais que carregam muitos patógenos — se reproduzem rapidamente, tem alta adaptabilidade, são diminutos e velozes. Por isso prosperam em áreas naturais devastadas pela atividade humana. Criaturas de vida curta como o rato marrom, por exemplo, investem em ter muitos filhotes ao invés de sobrevivência e sistema imunológico. Ou seja, animais assim podem ter maior tolerância a doenças do que outros animais. O ALTO CUSTO DE UM FORTE SISTEMA IMUNE Um elefante pode ter um filhote a cada dois anos; precisa de um forte e adaptável sistema imune para sobreviver ao alto custo de uma longa gestação e baixa natalidade. Enquanto ratos podem ter 13 filhotes a cada 23 dias ou seja, no mesmo tempo que um elefante tem um filhote um rato marrom pode ter 411. Vidas curtas e imunidade fraca pode levar a muitos patógenos sendo carregados no corpo. O estudo também descobriu que pequenas aves também carregam muitos patógenos e se adaptam bem ao impacto da atividade humana. Elas podem carregar, por exemplo, o vírus chikungunya e vírus do Nilo Ocidental. Humanos devastaram mais de metade das áreas naturais do planeta. Kate Jones, professora da University College London, que participou do estudo afirmou: “Como se prevê que as áreas agrícolas e urbanas continuem se expandindo nas próximas décadas, devemos fortalecer a vigilância de doenças e oferecer assistência médica nessas áreas que sofrem muitas perturbações, pois eles têm cada vez mais probabilidade de ter animais que podem estar hospedando patógenos prejudiciais”. Ou, talvez, deveríamos parar de invadir e devastar de uma vez por todas

domingo, 9 de agosto de 2020

Paradas de ônibus na cidade estão recebendo reforma

As equipes de serviços urbanos da Secretaria Municipal de Obras estão realizando a manutenção das paradas de ônibus, efetuando a recuperação e a higienização dos pontos de transporte coletivo.

 

As paradas de ônibus em Águas Lindas tem recebido manutenção intensiva da higienização, conforme os decretos municipais, para combate da disseminação do Coronavírus.

 

Mesmo com a higienização dos pontos de ônibus é recomendada a utilização de máscara de proteção individual e o álcool em gel, quando houver necessidade de embarcar no transporte coletivo.

 

As reformas das paradas de ônibus estão ocorrendo para melhorar a qualidade de vida da população, oferecendo mais conforto para os moradores da cidade. 

 

Anitta visita o Vaticano e se emociona ao lembrar da avó: “Sem palavras”

 

Anitta desembarcou na Itália após cumprir quarentena de 14 dias na Croácia e aproveitou esta sexta-feira (7) para passear pelo Vaticano. A cantora se emocionou ao visitar a sede da Igreja Católica no dia do aniversário da avó e falou sobre a experiência nas redes sociais. “No dia em que minha avó faria aniversário se estivesse viva, consegui levá-la em pensamento para o lugar que ela sonharia em ir quando soubesse que sua neta poderia fazê-la andar de avião (outro sonho dela)”, escreve em post no Instagram. “Sem palavras para explicar a gratidão desse momento”, completa

sábado, 8 de agosto de 2020

Presídio de Águas Lindas é inaugurado

 Na manhã desta quinta-feira (06/07) a Unidade Prisional Estadual de Águas

Lindas de Goiás foi inaugurada. Para construção do presídio foram investidos

R$ 20,8 milhões. Deste valor 8.866,307 são provenientes da União e

11.950.246,10 milhões foram oriundos do Governo do Estado de Goiás.

A unidade prisional pertence a 9ª Coordenação Regional Prisional da

instituição. As obras da mesma estiveram sob responsabilidade da Agência

Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra).

O estabelecimento penal conta com 300 vagas para recebimento dos presos. O

mesmo é composto por quatro blocos, sendo um deles: administrativo, com

cartório, sala de direção, entre outras.

Em outro bloco funciona a enfermaria local, compostas por salas de

atendimento médico, enfermagem, primeiros socorros e odontológico e sala de

expurgo.

Os demais blocos são divididos por duas alas uma de custódia de presos e a

outra com pátio para banho de sol, galpão para atividades laborais e ocupação

da população carcerária para trabalho de presos, de acordo com a política de

Reintegração Social da Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP).

A unidade conta também com o funcionamento de reservatório, central de gás,

gerador de energia elétrica, poços artesianos e estação de tratamento de

esgoto.

Esta também é equipada com câmeras de monitoramento, para reforçar a

segurança penitenciária. A unidade foi construída em configuração de

estabelecimento de segurança máxima, como também funcionará com regras

de regime próprio.

No evento foi entregue três viaturas para unidade, sendo duas operacionais e

uma administrativa, assim como o sistema de videoconferência pronto para

funcionamento, que será utilizado para as audiências dos custodiados e para

visitas virtuais monitoradas, em virtude da Covid-19.

A inauguração foi realizada pelo governo do Estado de Goiás, onde na ocasião

o prefeito de Águas Lindas, Hildo do Candango, destacou a importância da

unidade.

“Os reclusos da cidade terão acesso a um sistema penitenciário com regras e

regime próprio. O local também foi estrategicamente escolhido. E a construção

da unidade é segura, evitando assim uma possível fuga pelas tubulações. O

nosso governo municipal além de oferecer o terreno, também auxiliou na


terraplanagem local. Nesta ocasião, agradeço aqui os esforços de todos para

que esta obra fosse entregue”, salientou o prefeito.

No evento estiveram presentes além do prefeito Hildo do Candango, da

primeira dama, Aleandra Sousa, e o governador do Estado de Goiás, Ronaldo

Caiado, também estiveram o vice-governador Lincon Tejota, o vice-prefeito de

Águas Lindas, Jiribita, a secretária de Indústria e Coméricio, Maria Fábia, o

vice-secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, o diretor geral de

Administração Penitenciária, Coronel Augusto, o diretor do Sistema

Penitenciário Federal, entre outras autoridades municipais e estaduais.

9 momentos históricos em que o nitrato de amônio causou tragédia

 A substância, um sal branco e inodoro, é usada primordialmente como fertilizante em forma de grânulos, altamente solúveis em água e que os agricultores compram em grandes quantidades. Também é um dos principais componentes de explosivos usados em minas. O nitrato de amônio não é um material explosivo em si, mas, em doses médias e altas e na presença de substâncias combustíveis, como óleo, ou fontes de intensas de calor, pode causar fortes explosões. Essa é a principal linha de investigação sobre o que aconteceu na capital libanesa, segundo autoridades locais. Grandes quantidades da substância, 2.570 toneladas, permaneceram armazenadas no porto de Beirute após terem sido confiscadas de um navio que saiu da Geórgia com destino a Moçambique há mais de seis anos. A estocagem dessa substância deve seguir normas rigorosas de isolamento de líquidos inflamáveis ou corrosivos, sólidos inflamáveis ou substâncias que emitam calor. Em novembro do ano passado, por exemplo, o Comando Logístico do Exército Brasileiro divulgou uma portaria estabelecendo “procedimentos administrativos para o exercício de atividades com explosivos e seus acessórios e produtos que contêm nitrato de amônio”. Isso inclui regras rígidas para fabricação, importação, exportação, comércio, transporte, detonação, locação e utilização da substância. A explosão em Beirute deixou pelo menos 100 pessoas mortas e outras milhares feridas. Cerca de 300 mil pessoas estão desabrigadas, informou o governo. 1) FÁBRICA DA BASF EM OPPAU (ALEMANHA) - 1921 Um dos primeiros acidentes com nitrato de amônio deixou 561 mortos e quase 2 mil feridos em 1921. Ocorreu em uma fábrica da Basf em Oppau, na Alemanha, quando cerca de 4,5 mil toneladas de uma mistura de sulfato de amônio e nitrato de amônio explodiram. Foram duas explosões, uma de menor intensidade e, em seguida, a maior, com efeitos catastróficos. Elas foram ouvidas até em Munique, a 300 km de distância. Das cerca de mil casas da pequena cidade, 80% foram destruídas. Não se sabem exatamente as causas da tragédia, pois todos os envolvidos morreram, mas acredita- -se que foi causada quando trabalhadores tentaram “afofar” a mistura, que tende a se solidificar, transformando-se em uma substância parecida ao gesso, com pequenas cargas de dinamite. Era uma prática comum na época, quando se pensava que misturas contendo menos de 60% de nitrato não explodiriam. 2) NAVIO NO PORTO DE TEXAS CITY, NO TEXAS (EUA) - 1947 Foi o acidente industrial mais mortal da história dos EUA e uma das maiores explosões não nucleares da história.A tragédia aconteceu em 16 de abril de 1947, quando um incêndio no meio da manhã atingiu o navio SS Grandcamp, de bandeira francesa e ancorado no porto. As chamas provocaram a detonação de cerca de 2,3 mil toneladas de nitrato de amônio armazenadas na embarcação. Isso iniciou uma reação em cadeia de incêndios e explosões em outros navios e nas instalações de armazenamento de petróleo vizinhas, matando pelo menos 581 pessoas nas proximidades, com exceção de um bombeiro. O desastre levou à primeira ação coletiva contra o governo dos Estados Unidos, em nome das vítimas. 3) ATENTADO EM OKLAHOMA CITY (EUA) - 1995 Em 19 de abril de 1995, o extremista americano Timothy McVeigh detonou uma bomba feita com duas toneladas de nitrato de amônio na frente de um edifício federal em Oklahoma City, capital do Estado de Oklahoma, matando 168 pessoas e ferindo outras 700. O atentado levou as autoridades do país a endurecer as regras sobre o armazenamento da substância. Segundo a lei americana, instalações que armazenem mais de 900 kg de nitrato de amônio são obrigadas a passar por inspeções regulares. 4) USINA DA AZF EM TOULOUSE (FRANÇA) - 2001 Cerca de 300 toneladas de nitrato de amônio armazenadas em um galpão da usina química AZF, em Toulouse, explodiram em 21 de setembro de 2001, causando a morte de 31 pessoas. A explosão pôde ser ouvida a 80 km de distância. 5) ATENTADO EM DISCOTECA EM BALI (INDONÉSIA) - 2002 O nitrato de amônio foi usado na fabricação de explosivos usados no atentado contra uma discoteca no distrito turístico de Kuta, na ilha indonésia de Bali, em 12 de outubro de 2002, que deixou 202 mortos, sendo 88 australianos, e 209 feridos. O ataque envolveu a detonação de três bombas e foi reivindicado pelo grupo extremista Jemaah Islamiyah. Por volta das 23h daquele dia, um homem-bomba dentro da discoteca Paddy’s Pub detonou uma bomba em sua mochila, fazendo com que muitos clientes, com ou sem ferimentos, fugissem imediatamente do local para a rua. Vinte segundos depois, uma segunda bomba, muito mais poderosa e escondida dentro de uma van, foi acionada por outro homem- -bomba. Uma terceira bomba foi detonada do lado de fora do consulado dos EUA em Denpasar, que se acredita ter explodido pouco antes das duas bombas de Kuta, causou ferimentos leves a uma pessoa e danos materiais mínimos. 6) ATAQUE EM OSLO (NORUEGA) - 2011 A substância também foi usada no ataque a bomba pelo extremista norueguês Anders Behring Breivik em 22 de julho de 2011. A explosão de um carro- -bomba em Oslo, capital da Noruega, mirou o Regjeringskvartalet, bairro do governo executivo do país. A bomba foi colocada dentro de uma van ao lado do bloco da torre que abrigava o escritório do então primeiro- -ministro Jens Stoltenberg.A explosão matou oito pessoas e feriu pelo menos 209 pessoas, doze com gravidade. Breivik seguiu para a ilha de Utoya, onde assassinou outras 67 pessoas a tiros. 7) USINA DA WEST FERTILIZER, NO TEXAS (EUA) - 2013 A explosão aconteceu nas instalações de armazenamento e distribuição da West Fertilizer Company em West, no Estado americano do Texas, enquanto serviços de emergência tentavam debelar um incêndio criminoso na usina. Quinze pessoas morreram, mais de 160 ficaram feridas e mais de 150 edifícios foram danificados ou destruídos. Os investigadores confirmaram que o nitrato de amônio foi o material que causou a explosão. Em 11 de maio de 2016, o Departamento de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos dos Estados Unidos anunciou que o incêndio havia sido causado deliberadamente. 8) ARMAZÉM NO PORTO DE TIANJIN (CHINA) - 2015 Uma explosão em um armazém pertencente a uma empresa de logística de produtos químicos no porto de Tiajin, na China, deixou 173 mortos e centenas de feridos em 2015. Produtos químicos e nitrato de amônio estavam armazenados juntos na instalação, localizada no leste do país. Foram duas explosões iniciais, que ocorreram a 30 segundos uma da outra. Mas a segunda explosão foi muito maior e envolveu a detonação de cerca de 800 toneladas de nitrato de amônio (equivalente a 336 toneladas de dinamite), formando uma bola de fogo que pôde ser vista à distância. Os incêndios causados pelas explosões iniciais continuaram a queimar sem controle durante o fim de semana, resultando em oito novas explosões em 15 de agosto. Dos 173 mortos, 104 eram bombeiros. 9) TANQUE DA VALE FERTILIZANTES EM CUBATÃO (BRASIL) - 2017 O incêndio começou na tarde de 5 de janeiro de 2017, depois de uma explosão em uma correia transportadora que alimentava o armazém da unidade de nitrato de amônio da Vale Fertilizantes, subsidiária da Vale, em Cubatão, em São Paulo. A estrutura foi evacuada e nenhum funcionário ficou ferido. O acidente aconteceu quando um dos tanques da empresa explodiu, provocando um grande vazamento de nitrato de amônio. Seguiu-se, então, um grande incêndio, com a emissão de grande quantidade de fumaça tóxica, resultante da queima de nitrato, de cor laranja avermelhada. Técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) foram ao local e, com ajuda de um drone, monitoraram a área. O incêndio só foi completamente extinto após 15 horas. Um bombeiro precisou ser socorrido, vítima de intoxicação. Ele foi

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Caiado entrega presídio com 300 vagas e investimento de R$ 12 milhões: “Só inauguro o que está pronto para funcionar”

  A era de promessas vazias em Goiás ficou no passado. Sob a gestão de Ronaldo Caiado, palavra dada é palavra cumprida. Prova disso é a conclusão e entrega da Unidade Prisional Estadual de Águas Lindas, pronta para entrar em operação já a partir desta quinta-feira (6/8), dando fim a uma novela que começou ainda em 2013. “Só inauguro aquilo que está pronto para funcionar”, destacou o governador. A unidade de segurança máxima dispõe de 300 vagas e representa um importante reforço para o sistema penitenciário do Entorno do Distrito Federal (DF). O presídio faz parte do pacote de 400 obras anunciadas pelas gestões anteriores e jamais concluídas. A construção começou em 2013 e foi embargada quatro vezes. “Estamos entregando uma obra que até então servia mais pra fazer caixa dois de campanha eleitoral do que para atender a necessidade da população”, relatou Caiado. Em agosto do ano passado, o governador vistoriou o local e anunciou que concluiria a construção, via Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra) e em um esforço conjunto com setor de engenharia da Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP), inclusive corrigindo uma erosão que ameaçava a estrutura. “Vencemos a burocracia e fizemos as correções necessárias, com um sistema de drenagem eficiente. A gente não tem inaugurado postes nem maquetes, mas tem entregado obras”, salientou o presidente da Goinfra, Pedro Sales. O Governo de Goiás investiu quase R$ 12 milhões na obra, somados aos R$ 8,8 milhões provenientes do governo federal. Na solenidade de inauguração, Caiado ainda entregou três viaturas, duas operacionais e uma para uso administrativo; além de armamento completo, 350 colchões, mobiliário e um moderno sistema de videoconferência a ser utilizado para audiências judiciais dos custodiados. Durante a pandemia, essa ferramenta também permitirá visitas virtuais monitoradas, já que as presenciais estão suspensas devido aos protocolos sanitários de combate à Covid-19. Diretor do Sistema Penitenciário Federal, Marcelo Stona exaltou o compromisso e a coragem de Caiado em resolver todos os entraves para inaugurar o presídio. E que o Estado tem respeitado a tríade para uma boa gestão prisional: recursos humanos de qualidade, respeito à normatização e oferta de recursos materiais. “Essa formação da tríade é indicativo do sucesso de Goiás”. Representando o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), a juíza Telma Alves complementou afirmando que “sistema prisional goiano deu uma repaginada” sob a gestão de Caiado. MUDANÇA DE CONCEITO E RESSOCIALIZAÇÃO Goiás tem adotado um novo conceito de sistema prisional, mais moderno e seguro. Diretor-geral de Administração Penitenciária, o coronel Agnaldo Augusto da Cruz afirmou que o projeto arquitetônico do presídio de Águas Lindas, aprovado pelo Departamento Penitenciário Nacional, apresenta um panorama mais humanitário. “Até pouco tempo, vaga no sistema prisional era a quantidade de metro quadro. Contava-se como vaga o corredor e até o banheiro. Agora, é por leito. Quantas camas, de forma digna, a unidade possui”, pontuou. A estrutura foi construída seguindo protocolos adotados em presídios de segurança máxima e é equipada com câmeras de videomonitoramento. Um dos detalhes é que os detentos não terão acesso às tubulações ou tomadas na área de convivência, evitando a utilização de aparelhos celulares. A unidade prisional de Águas Lindas tem mais de 5,6 mil metros quadrados de área e nove guaritas de segurança, sendo seis externas e três internas. Conta com duas alas de 150 celas cada, sala de aula, refeitório, pátio de sol, área para encontro íntimo e atendimento psicológico, enfermaria e espaço para assistência médica e odontológica. A atual gestão já garantiu aumento de quase 20% das vagas existentes no sistema prisional de Goiás. “A proposta é de, até o final do governo, aumentar mais de 70% de vagas”, completou. Ainda segundo o diretor-geral, graças a um processo de reengenharia e redistribuição de servidores, fechando unidades que eram inviáveis, a DGAP também já alcançou uma economia de R$ 13 milhões aos cofres públicos, em relação aos gastos do ano passado. “Tínhamos unidades prisionais com 17, 18 servidores para sete presos, que custavam ao erário público mais de R$ 6 mil cada.” O vice-governador Lincoln Tejota garantiu que essa unidade prisional será alvo do programa Goiás de Resultados. “Uma das principais metas é que a população carcerária possa oferecer para a sociedade sua força de trabalho e diminuir os custos”, projetou citando, como exemplo, a produção de equipamentos de proteção individual (EPIs) que reforçaram o sistema de saúde no combate à pandemia.

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

"O Brasil não aguenta muito tempo", diz Guedes sobre possível prorrogação do auxílio emergencial


Dose zero da vacina está disponível para bebês de seis a 11 meses

A Secretaria de Saúde alerta a população sobre a importância de levar as crianças com idade entre seis a 11 meses para tomarem a chamada “dose zero” da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo. O objetivo é intensificar a vacinação desse público-alvo, mais suscetível a casos graves e óbitos pela doença. Devido ao surto de sarampo no país, é necessário que as crianças sejam vacinadas o quanto antes nas unidades básicas de saúde (UBSs) do DF. “Essa faixa etária tem risco de maior complicação e óbito em decorrência do sarampo, por isso é muito importante que sejam vacinadas. Todas as crianças menores de um ano têm potencial maior de gravidade. Lembrando que a ‘dose zero’ é indicada somente para os bebês de seis a 11 meses de idade”, diz Fernanda Ledes, enfermeira da área técnica da Secretaria de Saúde. A tríplice viral está disponível na rotina dos serviços de todas as salas de vacinas. Ela previne também contra rubéola e caxumba. Um agravante da situação tem sido a baixa cobertura vacinal desse público-alvo no DF devido à pouca procura pelo serviço, mesmo antes da pandemia do novo coronavírus. No primeiro quadrimestre do ano, 8.208 crianças com menos de um ano foram vacinadas contra o sarampo no DF, o que representou apenas 55,8% de cobertura vacinal. “O ideal é que, pelo menos, 95% dos bebês estejam vacinados”, ressaltou Fernanda Ledes. A “dose zero” foi instituída pelo Ministério da Saúde em agosto de 2019 e não tem período determinado para acabar. A ação é uma resposta imediata em decorrência do aumento de casos da doença em alguns estados. O Ministério da Saúde tem um planejamento de compra da vacina, tendo como base o número de pessoas que devem ser vacinadas, considerando as ações de rotina; as ações de bloqueio para interromper a cadeia de transmissão; e as doses adicionais para crianças de seis a 11 meses. DOSE ZERO A “dose zero” não substitui e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a tríplice viral aos 12 meses de idade (1ª dose); e aos 15 meses (2ª dose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral + varicela, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses. A vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente de a criança ter tomada a “dose zero” da vacina.

MEC autoriza aulas a distância em escolas técnicas federais de ensino

O Ministério da Educação autorizou as instituições federais de ensino médio técnico e profissional a suspenderem as aulas presenciais ou substituí-las por atividades à distância até 31 de dezembro de 2020, em razão da pandemia de covid-19. A portaria de autorização foi publicada no Diário Oficial da União e entra em vigor hoje (5 de agosto). As instituições que optarem pela suspensão das aulas presenciais deverão repô-las integralmente, para cumprimento da carga horária total do curso, e poderão alterar os seus calendários escolares, inclusive os de recessos e de férias. Já aquelas que optarem por atividades não presenciais deverão disponibilizar aos estudantes o acesso às ferramentas e materiais de apoio e às orientações para a continuidade dos estudos “com maior autonomia intelectual”. As atividades poderão ser mediadas ou não por tecnologias digitais. De acordo com a portaria, os estágios e práticas de laboratórios também poderão ocorrer à distância desde que garantam a replicação do ambiente de atividade prática ou de trabalho, propiciem o desenvolvimento das habilidades e competências esperadas no perfil profissional do técnico, estejam de acordo com a Lei do Estágio sejam passíveis de avaliação de desempenho e aprovadas pela instituição de ensino. Os estudantes de cada curso deverão ser comunicados sobre o plano de atividades com antecedência mínima de quarenta e oito horas da execução das atividades. Em julho, o Ministério da Educação já havia estendido a autorização de aulas a distância em instituições federais de ensino superior até 31 de dezembro de 2020. A medida também flexibilizava os estágios e as práticas em laboratório, que podem ser feitos a distância nesse período, exceto nos cursos da área de saúde.

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

DPE-GO, MP e Procon Goiás propõem ação contra 251 escolas por falta de informações sobre custos e metodologias durante a pandemia

 A Defensoria Pública do Estado de Goiás (DPE-GO), o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) e a Superintendência de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon Goiás) propuseram uma ação civil pública com pedido liminar em desfavor de 251 instituições de ensino goianas devido à falta de informações acerca das metodologias de ensino não-presencial utilizadas e da exibição de planilha com os custos existentes antes e durante a pandemia do novo coronavírus. De acordo com a ação, os consumidores têm enfrentado dificuldades diversas durante o período, inclusive pela falta de canais de contato diretos e simples com algumas escolas para que alunos e responsáveis possam entrar em contato com a instituição de ensino com segurança. Além disso, há estabelecimentos que não apresentam com clareza a metodologia e o cumprimento dos conteúdos propostos para o referido período letivo e outros falham no dever de informação ao consumidor, omitindo as planilhas de custos para o período determinado, que deveriam apresentar dados sobre a efetivação de despesas e possíveis alterações de custos. Diante disso, a DPE-GO, o MP-GO e o Procon Goiás requerem tutela de urgência de natureza antecipada determinando-se que as instituições de ensino disponibilizem, em 48 horas, a todos os alunos e responsáveis os contatos diretos de comunicação, telefone e endereço de e-mail com a coordenação pedagógica e financeira do estabelecimento. Os signatários do documento também requerem que em dez dias as escolas encaminhem esclarecimentos aos alunos ou responsáveis acerca das metodologias específicas utilizadas durante o período de aulas não-presenciais. É solicitado, da mesma forma, que apresentem, no mesmo prazo, a tabela de custos anual prevista para 2020, em como tabelas de custos mensais, detalhadas, para os meses de janeiro a maio. A ação também requer que os estabelecimentos realizem, até o quinto dia útil de cada mês subsequente, a divulgação ampla dos custos realizados no mês anterior. A ação é assinada pelos defensores públicos Gustavo Alves de Jesus e Tiago Ordones Rêgo Bicalho, pela promotora de Justiça Maria Cristina de Miranda, titular da 12ª Promotoria de Justiça; pelo promotor de Justiça Delson Leone Junior, coordenador do Centro de Apoio da Área do Consumidor; e pelo superintendente do Procon Goiás, Allen Viana.

terça-feira, 4 de agosto de 2020

É notório o estrago causado pela pandemia do coronavírus em nossa economia...

Por este motivo, a pedido do Produtor de Eventos Heder Capacete, juntamente com o então Presidente da Ordem dos Músicos do Brasil - Seção Goiás -OMB-GO Sr. Emerson Biazon e o Líder do Prefeito na Câmara Municipal de Goiânia, Vereador Welington Peixoto, foi entregue na manhã de segunda feira 03/08 dois ofícios ao secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia, Sr. Walison Moreira, solicitando um estudo no sentido de permitir o retorno da realização de shows e demais eventos culturais em nossa capital. Segundo nos informou o produtor de eventos Heder Capacete, as famílias destes trabalhadores estão passando dificuldades financeiras, sendo assim ele pediu uma certa urgência neste estudo.

Concessão vai impulsionar turismo no DF

As melhorias anunciadas para o Parque Nacional de Brasília vão incrementar o turismo de natureza e aventura no Distrito Federal, na opinião secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça. Ela representou o governador do DF, Ibaneis Rocha, durante a visita do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, à unidade de conservação. Vão ser investidos, inicialmente, R$ 2,5 milhões em obras de infraestrutura física, reformas de instalações já existentes, além de novas trilhas e equipamentos de contemplação da natureza e proteção dos animais, como um mirante e uma passagem suspensa. “As melhorias vão contribuir para a preservação da natureza e trazer mais conforto aos 250 mil visitantes que frequentam o parque anualmente”, avalia a secretária. Vanessa Mendonça destacou, ainda, a perspectiva de aumento de visitantes em função dos novos atrativos na unidade de conservação e de uma futura concessão do parque. A CEF já realizou o pregão eletrônico para a contratação da empresa que vai elaborar o projeto de reforma no local, no valor de R$ 360 mil. A escolha da empresa deverá ser anunciada no próximo mês. Depois da apresentação do projeto, será feita a licitação das obras e, posteriormente, o lançamento do edital de concessão para gestão da área verde de 42,3 mil hectares. A criação do Parque Nacional de Brasília, em 1961, se confunde com a construção da cidade para proteger os mananciais de água potável que abastecem a Capital Federal. Além de grande relevância ecológica e beleza cênica, entre as atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico, destacam-se as trilhas e as piscinas de água corrente

Pandemia: adiar cirurgias e tratamentos oculares pode causar danos irreversíveis à visão

O isolamento social decorrente da pandemia do coronavírus Covid-19 tem feito muita gente evitar de ir ao médico. No entanto, os olhos são uma região muito sensível e adiar cirurgias e tratamentos pode causar danos irreversíveis à visão. A implantação da consulta online surgiu como uma das soluções para evitar que a pessoa saia de casa. Contudo, na área oftalmológica, a maioria dos problemas precisa ser diagnosticado e tratado presencialmente.
De acordo com o oftalmologista Hilton Medeiros, da Clínica de Olhos João Eugenio, o paciente que não comparece aos exames regulares do glaucoma e da retinopatia diabética, por exemplo, pode ter perda significativa e irreparável da visão.
O mesmo ocorre com pacientes que sofrem de Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), sobretudo àqueles que precisam fazer as injeções seriadas para não perder a visão. “Sem as injeções frequentes, o paciente corre o risco de ter fibrose, daí não se recupera mais a visão. E na pandemia muitos pacientes deixaram de fazer este acompanhamento”, relata o médico.
Consulta online x presencial
Hilton Medeiros afirma que a consulta online na área oftalmológica é útil para casos mais simples. “Conseguimos esclarecer sobre olhos vermelhos, terçol, lesões palpebrais, conjuntivite. No entanto, no caso de lesões do fundo de olho, a gente precisa ter o paciente no consultório porque online não é possível fazer a medição da pressão ocular, um exame de fundo de olho ou ver se tem um processo inflamatório intraocular”, esclarece o especialista.
Segundo ele, muitas vezes a consulta se inicia online e depois o paciente é encaminhado para o atendimento presencial. “É comum começarmos com a telemedicina e depois encaminharmos o paciente para a consulta presencial. Só que mesmo nesse caso, a consulta presencial é mais rápida porque o paciente já chega com o caso direcionado e isso encurta o tempo dele na clínica”, afirma Medeiros.
Prevenção e tratamento com segurança
Hoje as clínicas estão muito bem preparadas para receber os pacientes com toda segurança. Hilton Medeiros diz que os pacientes podem continuar fazendo suas consultas preventivas e tratamentos sem medo. “Tomamos uma série de medidas visando preservar a saúde dos médicos, pacientes e funcionários. Aumentamos o tempo entre as consultas; os ambientes são higienizados a cada 30 min e os consultórios a cada paciente; distribuímos dispensers de álcool em gel em diversos pontos da clínica e pedimos que os pacientes venham com no máximo um acompanhante, todos utilizando máscara”, detalha o oftalmologista

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Bairro Jardim Barragem I está recebendo pavimentação asfáltica

As obras de construção de galerias de águas pluviais estão sendo realizadas
no bairro Jardim Barragem I. Estas beneficiarão toda a população e não
somente a da região local, mas de toda cidade, que contará com o sistema de
escoamento de águas.
Juntamente a estas obras estarão sendo realizadas também as obras de
pavimentação asfáltica por toda a extensão da avenida comercial local,
facilitando assim a trafegabilidade do transporte coletivo e a acessibilidade aos
comércios da região.
Para Hildo do Candango, prefeito de Águas Lindas, a cidade está em obras e
todos estes recursos estão sendo realizados para o bem-estar da população.
“As obras dos bairros Jardim Barragem I, assim como no Setor Coimbra e
demais regiões, estão trazendo resultados significativos para toda população.
Essa é a nossa intenção, o bem-estar de todos”, descreveu o Hildo.

Banco Mundial apoia projeto para soja sustentável no Nordeste

 O International Financing Corporation (IFC), do Banco Mundial, apoiará a subsidiária da Cofco International no Brasil na rastreabilidade da cadeia de suprimentos de soja do Matopiba, uma das regiões em que a produção agrícola brasileira mais cresce, de acordo com comunicado da empresa chinesa divulgado nesta sexta-feira (31). O trabalho vai se concentrar na triagem das fazendas produtoras de soja na região composta pelos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia, no Cerrado brasileiro, para garantir a conformidade com os principais critérios ambientais e sociais, garantindo que agricultores usem práticas agrícolas mais sustentáveis. Embora a conversão de terras para o plantio de soja no Cerrado esteja diminuindo desde 2001, a região de Matopiba registrou taxas mais altas associadas à crescente demanda global por soja, principal commodity de exportação do Brasil, segundo comunicado. A triagem utilizará imagens de satélite e outras informações geográficas e dados oficiais. “O objetivo é garantir que as fazendas fornecedoras estejam livres de trabalho forçado, não estejam localizadas em terras indígenas, unidades de conservação ou áreas embargadas e estejam em conformidade com a Moratória da Soja Amazônica”, disse a nota. O projeto também estabelecerá perfis de conversão de terras para fazendas individuais e avaliará a conformidade do fornecedor com o Cadastro Ambiental Rural (CAR), um registro eletrônico do governo que combina dados geoespaciais de propriedades rurais com suas informações ambientais, incluindo áreas protegidas legalmente. A Cofco International e a IFC esperam que o projeto englobe 85% dos fornecedores diretos da empresa no Brasil na região de Matopiba até 2021, atingindo 100% da região até 2023. A Agrosatélite, uma empresa brasileira especializada em imagens de satélite de sensoriamento remoto e inteligência geográfica, foi selecionada como parceira técnica do projeto. Essa parceria segue o anúncio recente da Cofco de que espera alcançar a rastreabilidade total de toda a soja comprada diretamente dos agricultores brasileiros até 2023, disse o comunicado. “Com este projeto, poderemos rastrear ainda mais os fornecedores não pré-financiados quanto aos principais critérios de sustentabilidade e identificar aqueles com quem queremos nos envolver mais de perto”, disse Wei Peng, chefe de sustentabilidade da Cofco International, em nota

sábado, 1 de agosto de 2020

Reforma tributária pode aumentar os preços de produtos da cesta básica, alerta especialista

Os produtos que compõem a cesta básica são isentos de impostos. A proposta de reforma tributária do governo manteve esta isenção de tributos, mas alterou uma regra que pode elevar o custo dos produtos na fase de produção. É o que alerta o advogado tributarista Breno Massa. Essa preocupação de alta dos preços ao consumidor, e, por consequência, o aumento da inflação, entrou em questão depois que o ministro da Economia, Paulo Guedes, apresentou o projeto do governo para unificar o PIS e a Cofins em um modelo de imposto sobre valor agregado (IVA), referindo-se à Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), com alíquota única de 12%, considerada elevada por Massa. Ele explica que, atualmente, a não-cumulatividade do PIS e da Cofins, assegurado por letra de lei maior, visa inutilizar a cumulação O comércio exterior brasileiro vem patinando nos últimos anos, acompanhando o pífio crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que é o resultado da soma dos bens e dos serviços produzidos no País. Esse quadro, claro está, é reflexo dos baixos índices de crescimento dos últimos anos, 1,1% em 2019, 2018 e 2017, depois de retração de -3,3% em 2016 e -3,5% em 2015, consequência de uma situação de escancarada corrupção e desperdícios que corroeu a economia do País, provocada por uma política econômica inconsequente promovida pelo partido que esteve no poder por 13 anos e meio (2003-2016). Afinal, tomados por uma megalomania e soberba sem limites, os líderes do Partido dos Trabalhadores (PT) agiram como se fossem donos do Brasil, cometendo, para manter-se no poder, as maiores barbaridades e descalabros, gastando e desviando de forma perdulária e irresponsável as economias do País, inclusive emprestando recursos, a fundo perdido, a países sem a mínima condição de honrar seus compromissos, como Cuba, Venezuela, Uruguai e Guiné Equatorial, entre outros. Para esses países foram perdoadas dívidas, como se o Brasil pudesse se dar ao luxo de tamanha farra com os dólares de suas reservas. Como consequência, o País foi jogado em uma brutal recessão cujas consequências a população vem pagando caro nos últimos O Brasil e a epidemia de coronavírus Artigo n Milton Lourenço anos, com salários aviltados, falta de emprego e escassez de dinheiro para as necessidades básicas, inclusive alimentação. A quantidade de desempregados é brutal, 11,7 milhões, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto milhares de jovens chegam ao mercado sem a mínima perspectiva de bons empregos e sequer de qualquer ocupação. Na Baixada Santista, a exemplo do resto do País, a situação é grave. Até porque uma parte relevante dos trabalhadores santistas depende das atividades relacionadas ao porto, que estão diretamente ligadas à evolução da economia. Entre esses trabalhadores, estão estivadores, doqueiros, consertadores, vigias, conferentes, os denominados “trabalhadores avulsos”, como também aqueles que executam as atividades burocráticas das importações e exportações, como os despachantes aduaneiros e seus ajudantes, agentes de cargas, técnicos certificantes, inspetores e outros. Dentro desse panorama, havia uma esperança por parte do empresariado e daqueles que se utilizam do porto de que ocorreria uma retomada do crescimento ao redor de 2,2% em 2020 e de 2,3% em 2021, segundo projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI), que previu também uma alta de 3,3% da economia global em 2020. Mas essas previsões já não se sustentam porque os índices de 2019 foram desanimadores. Para piorar, surgiu a epidemia de coronavírus, que está conturbando severamente a produção dos países afetados. As exportações da China, por exemplo, despencaram 17,1% nos primeiros meses de 2020. Também as importações chinesas caíram 4%. Obviamente, esse quadro registrado no principal parceiro comercial do Brasil acabará por influenciar negativamente a economia nacional. Com isso, os números previstos para 2020, que se apresentavam como promissores, passam por uma reversão brutal cujas consequências ainda não se pode calcular. Tudo vai depender em grande parte do êxito ou do fracasso no controle dessa epidemia, mas, levando- -se em consideração que a taxa do dólar em relação ao real já chegou a R$ 5,32, no horizonte da economia brasileira por enquanto só se vê nuvens carregadas. Mas nem por isso se deve continuar a acreditar, como o fazem há mais de 50 anos os nossos líderes políticos, que a fonte principal de todos os males do Brasil é externa. Não é. Ou seja: para sairmos do buraco, vamos depender (e muito) também da competência do ministro da Economia e de seus assessores. Esperemos. Milton Lourenço é presidente do Grupo Fiorde, constituído pelas empresasFiorde Logística Internacional, FTA Transportes eArmazéns Gerais eBarterComércio Exterior (trading company), todas com matriz em São Paulo e filiais em vários Estados brasileiros. E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br das múltiplas incidências destas contribuições nas etapas da cadeia de produção. Assim, de modo contrário ao esperado pelo setor produtivo, principalmente do setor de bens e serviços, o aumento da carga tributária, nos moldes em que intencionado pelo projeto, será nominal com a alteração da regra de isenção dos produtos da cesta básica. “Desta forma, considerando que a pretendida reforma extingue os regimes de tributação de lucro real e lucro presumido, pode- -se dizer que o salto na alíquota incidental em caráter geral (12%) acarretará na majoração do preço do produto ao consumidor final, vez que as empresas não mais poderão aproveitar os créditos dos insumos, devendo efetuar o estorno ao fisco, sobrelevando um acréscimo no custo, que, invariavelmente, é lançado ao consumidor na ponta”, avalia o advogado. PROGRAMAS SOCIAIS Massa ainda destaca que a justificativa apontada pelo governo é de que, apesar deste aumento da carga tributária, ainda que haja o aumento no preço final do produto, haverá a restituição de tal acréscimo na forma de benefício social. “Assim, famílias de baixa renda que estiverem cadastradas, a exemplo, no Bolsa Família (a pretensão é criar um novo programa, o Renda Brasil), poderão, desde que realizada a compra com o fornecimento imediato do CPF, ter o valor do imposto restituído no creditamento do valor ofertado pelo programa social do próprio govern

quinta-feira, 30 de julho de 2020

Análise da Fiocruz libera 300 mil kits de testes rápidos doados ao GDF

Os 300 mil kits de testes rápidos para detecção de anticorpos IGM de Covid-19 doados ao Governo do Distrito Federal estão liberados para uso. O material, recebido pela Secretaria de Economia, passou pela análise do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). No valor total de R$ 8,5 milhões, a doação partiu de um pedido do governador Ibaneis Rocha, que determinou à Secretaria de Economia a operacionalização do processo. Acompanhado pelo diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do DF (Lacen), Jorge Antônio Chamon Júnior, o secretário de Economia, André Clemente, foi a Itajaí (SC) receber o material, transportado em caminhões refrigerados. Os testes chegaram ao Distrito Federal no dia 2, tendo sido encaminhados à Secretaria de Saúde (SES), que solicitou a análise técnica à Fiocruz. Foram realizados testes em dois kits, cada um com 50 exames. O laudo mostra que o resultado encontrado pela equipe técnica está de acordo com o declarado pela fabricante, Hecin Scientific. Em 28 amostras clínicas positivas de Covid-19, foram encontrados apenas quatro resultados falsos positivos (87,5% de acerto), enquanto 72 amostras negativas também geraram quatro falsos negativos (95,81%). Com a aprovação, os kits estão disponíveis para testagem em pacientes que apresentarem sintomas da doença do oitavo ao décimo quarto dia. Quem tiver sinais da doença causada pelo novo coronavírus deve procurar a UBS mais próxima de casa, onde, se for o caso, poderá fazer o teste mais indicado pelos profissionais de saúde. No caso dos exame doados ao GDF, a indicação é para a partir do décimo dia de início dos sintomas, até o décimo quarto dia. A produção de anticorpos IgM contra a Covid-19 começa entre o sétimo e o décimo dia após a exposição viral, sendo o décimo quarto o pico do nível de IgM, que começa a diminuir posteriormente. O usuário que tiver o número de cadastro na Secretaria de Saúde e a senha para acesso poderá pegar o resultado no portal. Agência Brasília

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Notícia do Entorno – Municípios do Entorno do DF terá lockdown nos finais de semana e alteração dos serviços não essenciais

Devido ao avanço das infecções pelo novo coronavírus no Entorno do Distrito
Federal, prefeitos dos municípios adjacentes à Brasília decidiram implementar
o lockdown.
A medida terá início às 15h de sábado (11/7) e terminará à 0h de segunda-feira
(13/7). Além disso, houve alteração nos horários dos serviços, essenciais e
não, durante a semana para evitar aglomerações e conter a disseminação da
covid-19.
De acordo com o presidente da Associação dos Municípios Adjacentes á
Brasília (AMAB) e prefeito de Águas Lindas de Goiás, Hildo do Candango a
situação de seus municípios não é a mesma de outras cidades, já que grande
parte da população é flutuante, e se desloca todos os dias para trabalhar no
Distrito Federal.
“As regiões do Entorno têm uma peculiaridade, cerca de 50% da população
trabalha no DF. Não dá para restringir só uma parte (durante a semana)
enquanto a outra continua circulando entre as cidades”, declarou.
Durante o lockdown no fim de semana, apenas os postos de gasolina,
distribuidoras de gás e farmácias poderão funcionar. Os estabelecimentos
deverão permanecer de portas fechadas em regime de plantão. As medidas
visam evitar aglomerações nos comércios.
Serviços essenciais e não essenciais
A medida também afetará o funcionamento dos serviços essenciais. A partir da
última segunda-feira (6/7), o comércio passou a funcionar em horário especial
de segunda a sexta-feira, das 6h às 21h. Os serviços considerados não
essenciais estão funcionando das 9h às 17h. O delivery está permitido até as
22h, somente para estabelecimentos fechados.
Os serviços, essenciais ou não, poderão funcionar entre 6h e 15h de sábado.
Em seguida, todos deverão permanecer fechados até o fim do lockdown. Os

eventos religiosos poderão ser realizados seguindo as recomendações dos
órgãos de saúde, e organizados para evitar aglomerações.

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Notícia da AMAB – Prefeitos do Entorno do Distrito Federal adotam lockdown nos finais de semana

Os prefeitos que compõem a Associação dos Municípios Adjacentes à Brasília
(AMAB) se reuniram nesta terça-feira, dia 30, por videoconferência para discutir
sobre o lockdown proposto pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado para
todos os municípios goianos.
Participaram da videoconferência os prefeitos das cidades de Abadiânia, Zé
Diniz, de Cocalzinho, Alair Ribeiro, de Padre Bernardo, Claudiênio, de
Valparaíso de Goiás, Pábio Mossoró, de Luziânia, Professora Edna, de Cidade
Ocidental, Fábio Corrêa, de Novo Gama, Sônia Chaves, de Santo Antônio do
Descoberto, Aleandro Olivio Caldato, de Cristalina, Daniel Vaz, de Alexânia,
Allysson Lima e de Planaltina de Goiás, Maria Aparecida.
A reunião foi conduzida pelo presidente da AMAB e prefeito de Águas Lindas,
Hildo do Candango e teve a participação de todos os envolvidos, que
expuseram sobre as particularidades de cada município.
Na ocasião, os gestores municipais afirmaram que a situação de seus
municípios não é a mesma de outras cidades, já que grande parte da
população é flutuante, e se desloca todos os dias para trabalhar no Distrito
Federal.
Neste caso um lockdown local não surtiria efeito, portanto, foi necessário
buscar outras alternativas, pois alguns pontos dificultam essa adesão, tais
como:
1. Transporte Público: O transporte semiurbano que atende estes
municípios é regulamentado pela ANTT, e os prefeitos não podem
interferir já que é de responsabilidade do Governo Federal. Neste caso,
fica inviável a região aderir ao lockdown total como foi proposto pelo
Governo do Estado.
2. Empregos: Os municípios do Entorno ofertam mão de obra para o
Distrito Federal. É impossível restringir o lockdown apenas para uma
parte da população enquanto a outra continua circulando entre as
cidades.

Partindo desse pressuposto, os representantes debateram com uma equipe
técnica e as respectivas secretarias municipais de Saúde, e chegaram ao
consenso de quais medidas serão aplicadas no comércio local, respeitando as
normas sanitárias de contenção do avanço da pandemia, por isso serão
decretados novos dias e horários de abertura que começam a valer a partir
desta quinta-feira, dia 02 de julho.
De segunda a sexta-feira
Serviços essenciais: funcionam de segunda a sexta-feira das 6h às 21h.
Serviços não essenciais: podem funcionar de segunda a sexta-feira das 9h às
17h.
Sábado/Domingo
As feiras só funcionarão aos sábados até às 15h. Serviços de delivery podem
operar das 17h às 23h de segunda a sexta. Nos sábados e domingos – delivery
está suspenso. Os cultos e missas podem continuar funcionando seguindo as
medidas de segurança.
O lockdown total será direcionado para o sábado após as 15h e finalizará as
00h de segunda-feira, ou seja, neste período apenas postos de gasolina,
distribuidoras de gás e farmácias em regime de plantão poderão funcionar.
Essas medidas visam evitar aglomerações nos comércios.
Hospital de Campanha de Águas Lindas
Durante a reunião foi discutido o número de leitos disponíveis para a Região do
Entorno para o tratamento da Covid-19. O Ministério da Saúde prometeu
entregar uma estrutura completa e anunciou que o Hospital de Campanha de
Águas Lindas teria 200 leitos, sendo 40 de UTI e 160 de enfermaria. Porém a
realidade é outra, e até o momento só foram disponibilizados 10 leitos de UTI e
40 de enfermaria para atender uma população de mais de 1.2 milhão de
pessoas. O que está disponível hoje é insuficiente até mesmo para atender a
comunidade local.
Na ocasião, o presidente da AMAB, Hildo do Candango e os prefeitos da
Região Metropolitana do Entorno irão encaminhado um documento em nome

da AMAB para o Ministério da Saúde, com cópia para a Secretaria Estadual de
Saúde para que as providências sejam tomadas e o HCamp possa atender em
sua total capacidade, e a população seja acolhida com todo suporte
necessário.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Auxílio Emergencial: Caixa credita benefício a 6,9 milhões de trabalhadores nesta quarta; veja quem recebe

 credita nesta quarta (1º) o Auxílio Emergencial a mais 6,9 milhões de beneficiários, todos fora do programa Bolsa Família.
  • 5,2 milhões de trabalhadores do primeiro lote (que receberam a 1ª parcela até 30 de abril), nascidos em maio e junho, recebem a terceira parcela
  • 1,5 milhão de trabalhadores do segundo lote (que receberam a 1ª parcela entre os dias 16 e 29 de maio), nascidos em maio e junho, recebem a segunda parcela
  • 200 mil novos aprovados, nascidos em maio e junho, recebem a primeira parcela
Os recursos serão liberados em um primeiro momento por meio da poupança social digital, de maneira escalonada, conforme o mês de aniversário do trabalhador, para pagamento de contas, boletos e compras por meio do cartão de débito digital. Saques e transferências serão liberados em datas posteriores

Valores pagosNo total, a Caixa disponibilizará mais R$ 19,7 bilhões para 31 milhões de pessoas para pagamento da terceira parcela.

Já na segunda parcela dos contemplados no lote 2 são 8,7 milhões de beneficiários (tiveram crédito da parcela 1 realizado entre 16/05 e 29/05) que receberão R$ 5,5 bilhões. No caso da primeira parcela dos aprovados dentro do lote 4, são 1,1 milhão de beneficiários que receberão cerca de R$ 700 milhões.
A segunda parcela para os aprovados do terceiro lote (que receberam a primeira entre os dias 16 e 17 de junho) ainda não tem data definida.

Transferências e saque em dinheiro

Para quem vai fazer o saque em dinheiro, os pagamentos começam em 18 de julho e vão até 19 de setembro. O calendário inclui a terceira parcela, a segunda parcela para os aprovados no lote 2 e a primeira parcela para os aprovados do lote 4. Veja abaixo:
  • 18 de julho – nascidos em janeiro - 3,4 milhões de pessoas
  • 25 de julho – nascidos em fevereiro - 3,1 milhões de pessoas
  • 1º de agosto - nascidos em março - 3,5 milhões de pessoas
  • 8 de agosto - nascidos em abril - 3,4 milhões de pessoas
  • 15 de agosto – nascidos em maio - 3,5 milhões de pessoas
  • 29 de agosto – nascidos em junho - 3,4 milhões de pessoas
  • 1º de setembro – nascidos em julho - 3,4 milhões de pessoas
  • 8 de setembro – nascidos em agosto - 3,4 milhões de pessoas
  • 10 de setembro – nascidos em setembro - 3,4 milhões de pessoas
  • 12 de setembro – nascidos em outubro - 3,4 milhões de pessoas
  • 15 de setembro – nascidos em novembro - 3,2 milhões de pessoas
  • 19 de setembro – nascidos em dezembro - 3,3 milhões de pessoas


segunda-feira, 15 de junho de 2020

Como funcionam as duas vacinas contra covid-19 que serão testadas em brasileiros

 As vacinas estão sendo produzidas no exterior em parceria com órgãos nacionais como parte da corrida global para se achar uma forma de conter a pandemia, que já contaminou mais de 7,5 milhão de pessoas e matou mais de 420 mil no mundo. Nas últimas semanas, duas iniciativas internacionais que estão na última fase de análise clínica anunciaram que usarão voluntários do Brasil - país que tem o segundo maior número de casos de covid-19 confirmados (mais de 800 mil) e o terceiro número de mortes (mais de 40 mil). A primeira é uma iniciativa da universidade britânica de Oxford, com testes começando neste mês envolvendo mil pessoas no Rio de Janeiro e outras mil em São Paulo. Voluntários de 18 a 55 anos que trabalham no setor de saúde estão sendo selecionados pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) em São Paulo e pela Rede D’Or São Luiz e Instituto D’Or (Idor) no Rio de Janeiro. A outra foi anunciada na quinta-feira pelo governo do Estado de São Paulo e será feita em parceria entre a criadora da vacina, a empresa chinesa Sinovac, e o Instituto Butantan, centro de pesquisas ligado à secretaria estadual de Saúde de São Paulo. Segundo a OMS, existem mais de 130 estudos de vacinas contra a covid-19 em andamento no mundo todo, mas apenas dez estão em fases adiantadas de estudo - o que inclui essas duas que serão testadas com voluntários brasileiros. Especialistas indicam que essa fase pode durar seis meses, e que a fase de produção e comercialização pode demorar ainda de 12 a 18 meses. No Brasil, há iniciativas do próprio Instituto Butantan junto com a Fiocruz e também da Universidade de São Paulo para criar uma vacina nacional, mas ambas ainda estão em estágio de análise pré-clínica. VACINA CHADOX1 NCOV19, DE OXFORD A vacina conhecida como ChAdOx1 nCoV-19 é um dos mais avançados experimentos científicos contra o coronavírus no mundo hoje. Ela é feita a partir do ChAdOx1, que é uma versão mais branda de um vírus que causa gripe em chipanzés, com modificações genéticas que impedem que ela se espalhe entre humanos. Material genético foi acrescentado ao vírus ChAdOx1 com a presença de uma proteína chamada glicoproteína de pico. Essa proteína existe na superfície do coronavírus e desempenha um papel fundamental no processo de contaminação, pois ela se liga a receptores presentes nas células humanas para invadi- -las e causar a infecção. O objetivo da vacina de Oxford é fazer com que o sistema imunológico do corpo humano reconheça a glicoproteína de pico e crie uma defesa contra ela. Uma parcela dos voluntários vai receber uma outra vacina, usada comumente contra meningite, que provoca sintomas parecidos. Este será o grupo de controle, usado para comparar e contrastar as duas vacinas. Os voluntários não serão informados sobre qual vacina estão recebendo. Eles vão preencher pela internet um diário ao longo de sete dias relatando seus sintomas, e serão monitorados por três semanas para qualquer mal-estar. Eles farão exames de sangue constantes para determinar se a vacina está sendo eficaz em produzir uma resposta imunológica. A universidade britânica disse que o Brasil é prioridade na última fase de estudos “por causa da sua curva ascendente de covid-19”. Além dos 2 mil brasileiros, também participam do estudo 10 mil britânicos e 30 mil americanos. Enquanto a universidade trabalha na ponta da pesquisa científica, ela também negocia a parte de produção em massa da vacina. A multinacional AstraZeneca, que apoia as pesquisas, diz que terá capacidade de produzir até 1 bilhão de doses da vacina de Oxford, tendo já firmado convênios para produzir até 400 milhões de doses. CORONAVAC DA SINOVAC A Sinovac Biotech é uma empresa privada com sede em Pequim que possui experiência na produção de vacinas contra febre aftosa, hepatite e gripe aviária. A empresa conseguiu logo cedo na pandemia criar uma vacina que impediu o contágio de macaco-rhesus com covid-19. Oito animais receberam duas doses da vacina CoronaVac. Três semanas eles foram expostos ao coronavírus e nenhum deles pegou covid-19. A empresa criou anticorpos específicos que agem para neutralizar o coronavírus, que segundo a foram bem-sucedidos em neutralizar dez cepas do coronavírus. Um estudo foi publicado com revisão por pares na revista científica Science no dia 6 de maio. O estudo com macacos mostrou que os animais que receberam doses maiores da vacina tiveram melhor resposta contra vírus. O estudo despertou algumas críticas de outros especialistas na área. Segundo a revista Science, o professor Douglas Reed, da Universidade de Pittsburg, que também está testando vacinas contra o coronavírus em macacos, levantou dúvidas sobre o baixo número estatístico de testes da Sinovac, que seria insuficiente para se tirar conclusões maiores. Ele também afirmou que a forma como o coronavírus foi usado no laboratório pode ter provocado algumas mudanças que o tornaram menos contagioso nos testes. Outra preocupação levantada é a de que os macacos não apresentam sintomas tão extremos de covid-19 como humanos. Mas outros cientistas elogiaram a iniciativa. “Eu gostei [do estudo]”, disse Florian Krammer, virologista da Icahn School of Medicine, de Nova York, para a Science. “Isso é um jeito antigo [de criar vacinas] mas pode dar certo. O que eu mais gostei é que muitos produtores de vacina, até em países de baixa e média renda, conseguiriam produzir uma vacina assim.” Desde então, muito já se evoluiu no estudo da CoronaVac. Os primeiros testes com humanos começaram na China no dia 16 de abril. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que o Brasil pretende ajudar não só na fase de desenvolvimento do CoronaVac, como também na produção e comercialização em território brasileiro da vacina. A Sinovac está construindo uma fábrica na China que, segundo a empresa, terá capacidade para produzir 100 milhões de doses da CoronaVac por ano. A empresa chinesa diz que, ao firmar o convênio, o “Instituto Butantan poderá assegurar que a população brasileira terá acesso a essa vacina”

sábado, 13 de junho de 2020

Governo de Goiás e OVG distribuem máscaras a usuários do transporte coletivo

A máscara tem sido um acessório fundamental para diminuir os riscos de contaminação pelo coronavírus. Para incentivar o uso, o Governo de Goiás, por meio da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), distribuiu nesta terça-feira (9/6), o equipamento de proteção em cinco terminais de ônibus de Goiânia. A iniciativa é uma das ações da Campanha de Combate à Propagação do Coronavírus. As equipes da OVG entregaram 14.400 máscaras de tecido doadas pela Cia. Hering aos usuários do transporte coletivo nos terminais Novo Mundo, Padre Pelágio, das Bandeiras, Cruzeiro e Praça da Bíblia. A doação foi feita pela indústria têxtil à campanha no último mês de maio. Na ocasião, foram entregues 300 mil unidades. Trabalhadora da área de construção civil, Maria Ribeiro dos Santos elogiou a iniciativa. “Nós, que precisamos andar de ônibus, corremos mais riscos de ser contaminados. Foi ótima essa ideia porque precisamos usar máscaras todos os dias”. Moradora do Residencial Mansões Paraíso, Tânia Regina Martins recebeu a máscara no Terminal Padre Pelágio ao voltar para sua residência. Ela também gostou de ganhar o equipamento de proteção individual. “Como estou procurando emprego, ando todos os dias de ônibus, na rua, então preciso sempre me proteger. Essa ajuda é muito importante neste momento tão arriscado que estamos vivendo”, reconheceu. A diretora-geral da OVG, Adryanna Melo Caiado, diz que a distribuição nos terminais foi uma forma de ajudar a proteger as pessoas que estão mais suscetíveis a ter contato com o vírus. “O uso da máscara é uma medida recomendada pelo Ministério da Saúde e é a melhor forma de diminuir o contágio pela Covid-19, já que ainda não temos a vacina. E para os usuários do transporte coletivo o item é imprescindível por estarem mais próximos uns dos outros”. A presidente de honra da OVG e coordenadora do GPS, primeira-dama Gracinha Caiado, agradeceu a parceria da Hering na ação de prevenção à Covid-19. “Felizmente temos recebido o apoio de inúmeros parceiros que contribuem para diminuir o impacto causado por essa pandemia. A Hering é um deles. Essas máscaras fazem a diferença para quem está passando dificuldade econômica. Muitos se deslocam para trabalhar ou procurar emprego e precisam dessa proteção e não têm condições de comprar”

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Governo de Goiás cria linha de crédito específica para guias de turismo

O Governo de Goiás, por meio da GoiásFomento e Goiás Turismo, anuncia a criação da linha crédito GF Turismo Microcrédito Orientado Guias de Turismo, que será operacionalizado com recursos do Fundo Geral de Turismo (Fungetur), repassados pelo Ministério do Turismo. Essa modalidade vai financiar o capital de giro dessa categoria de profissionais em Goiás. Os beneficiados devem estar inscritos e regulares no Sistema Nacional de Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur) até o dia 31 de março último. Inicialmente, por determinação do governador Ronaldo Caiado, a GoiásFomento vai disponibilizar R$ 1,4 milhão para esta nova linha de crédito. O valor a ser financiado é de até R$ 8 mil por tomador. Os interessados serão encaminhados ao Sebrae Goiás para receber orientação e capacitação profissional. A linha de crédito GF Turismo Microcrédito Orientado Guias de Turismo terá encargos financeiros de 2,5% ao ano mais INPC. O prazo de pagamento é de até 48 meses, incluindo até 12 meses de carência. Para pleitear o empréstimo, o guia de turismo deve estar inscrito como MEI-Microempreendedor Individual. Os recursos do financiamento serão liberados em até oito parcelas iguais e consecutivas, durante o período de carência. O tomador de crédito poderá utilizar até 80% de garantia complementar do Fundo de Aval das Micro e Pequenas Empresas (Fampe) do Sebrae, que também é operacionalizado pela Agência de Fomento. MAIS RECURSOS O presidente da GoiásFomento, Rivael Aguiar, informa que, além da linha de crédito para os guias de turismo, a instituição financeira assinou contrato com o Ministério do Turismo, para a liberação de R$ 11 milhões do Fungetur. Esse montante será destinado às linhas de crédito já existentes voltadas ao setor turístico no Estado. Ao todo a agência disponibiliza R$ 26 milhões para este segmento. Rivael Aguiar ressaltou a atuação do presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, junto ao Ministério do Turismo, para a captação da verba para Goiás. “O turismo é uma das atividades econômicas mais afetadas pela pandemia da Covid-19 e será um dos setores que enfrentará maiores dificuldades para sua retomada. É justo que os empreendedores turísticos recebam atenção especial do Governo de Goiás, através GoiásFomento e Goiás Turismo”, declara. No início de maio último, a instituição financeira, por meio de contrato com o Ministério do Turismo, passou a oferecer taxa de juros menor e carência estendida na linha de crédito GoiásFomento Fungetur Giro Puro, destinada a micro, pequenas e médias empresas do setor turístico. O presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, informou que poucos Estados conseguiram os recursos do Fungetur. “Fizemos uma forte articulação junto ao Governo Federal e, com isso, vamos beneficiar as pessoas que vivem do Turismo e minimizar a situação difícil que estão enfrentando, oferecendo as linhas de crédito com carência de longo prazo”, afirmou. Atendendo às recomendações do Governo de Goiás para evitar aglomerações de pessoas em espaços públicos devido à pandemia da Covid-19, Rivael Aguiar informa que o atendimento aos clientes da GoiásFomento está sendo realizado pelo telefone (62) 3216-4900, no horário das 9 às 17 horas, de segunda a sexta-feira; ou pelo e-mail atendimento@ goiasfomento.com. Mais informações a respeito das linhas de crédito disponíveis podem ser verificadas no site www. goiasfomento.com, onde está disponível uma cartilha de teleatendimento.

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Notícia de Águas Lindas – Programa Morar Legal beneficiará mais de 10 mil famílias em Águas Lindas

Desde o início da sua gestão, o prefeito Hildo do Candango assumiu o
compromisso de regularizar 36 bairros de Águas Lindas através do Programa
Morar Legal para proporcionar mais segurança jurídica e dignidade para todos
os moradores.
Atualmente, o Morar Legal é considerado o maior programa de regularização
fundiária da região e beneficiará mais de 10 mil famílias da cidade que residem
em áreas irregulares, entregando a posse legal de seus terrenos a um custo
zero para a população carente.
Os moradores dos bairros Santa Lúcia, Jardim Pérola I, Jardim Alterosa,
Jardim Brasília II, Recreio Águas Lindas I e II, Jardim Recanto e Águas Bonitas
II já foram contemplados pelo programa.
Esse projeto é um sonho antigo dos moradores de Águas Lindas e sempre foi
um grande objetivo do prefeito Hildo do Candango. O gestor municipal
destacou a importância desse programa fundiário.
“Na próxima semana realizaremos a solenidade e daremos início à entrega de
mais de 2 mil certificados dos bairros Park das Águas Bonitas II, Jardim Pepita,
Recreio Águas Lindas I, II e III, Jardim Águas Lindas e Jardim Recanto.
Costumo dizer que mais do que papéis, estaremos entregando o sonho de
muitos moradores que não tinham a garantia constitucional do direito do seu
próprio imóvel e a partir de agora receberão as escrituras das suas casas em
mãos”, disse o prefeito.
O evento será transmitido ao vivo pelas redes sociais da Prefeitura de Águas
Lindas e do prefeito Hildo do Candango na próxima terça-feira (16) ás 20h.
Devido à pandemia da Covid-19, a entrega dos certificados ocorrerá a partir da
próxima quarta-feira (17) seguindo os protocolos de segurança contra o vírus
para proteger as famílias beneficiadas pelo programa.

terça-feira, 9 de junho de 2020

Quase 10 mil doações de sangue durante a pandemia

Mesmo na pandemia do novo coronavírus, que manteve boa parte das pessoas resguardadas em casa, os doadores de sangue do Distrito Federal e do Entorno mantiveram o propósito de doar sangue. Desde o início da quarentena até agora, a Fundação Hemocentro de Brasília coletou pouco mais de 9.900 bolsas de sangue. No primeiro bimestre de 2020, a média de doações foi de 155 bolsas por dia; após a pandemia, o índice é de 150 coletas diárias. O Hemocentro de Brasília vai celebrar o Dia Mundial do Doador de Sangue (14 de junho) por meio das redes sociais, agradecendo a doadores e apoiadores que não deixaram de fazer o bem nesse período. “Nós queremos reconhecer todos que contribuíram de alguma forma para manter a assistência aos pacientes da rede pública e conveniada do DF. Os doadores são as grandes estrelas, mas também contamos com o apoio de pessoas e entidades que incentivaram o gesto solidário mobilizando voluntários ou doando serviços e materiais”, enumera Okumoto. Mesmo com o comparecimento do público, as doações de sangue precisam continuar regulares para que as reservas não fiquem comprometidas. Por isso, a campanha também vai lembrar ao público a importância de ser um doador frequente e continuar comparecendo ao Hemocentro para que os estoques não baixem. Desde a declaração de pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o Hemocentro adotou medidas de precaução para garantir a segurança ao doador de sangue. As rotinas de limpeza e desinfecção das áreas comuns se tornaram mais frequentes, e o espaço entre as cadeiras das salas de espera e as da sala de coleta foi ampliado. Outra medida de segurança foi reduzir a quantidade de pessoas em grupo – de 40 para 10 vagas. Quando há mais interessados, eles são distribuídos em outro dia ou horário. Para grupos de pelo menos 10 pessoas, o Hemocentro de Brasília disponibiliza transporte gratuito para fazer o trajeto de ida e volta entre a fundação e qualquer ponto do Distrito Federal. Os veículos não circulam com lotação máxima, para que os ocupantes mantenham distância entre si

Leia também