.

.

Hora Certa pra você

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Hildo do Candango é elogiado por Lúcia Vânia no plenário do Senado Federal
A gestão do prefeito Hildo do Candango frente ao município de Águas Lindas de Goiás tem ganhado destaque no cenário regional e nacional, com a forma séria de conduzir o destino do município, superando as dificuldades com muita austeridade nos investimentos dos recursos públicos. Na última quinta-feira (23), a senadora Lúcia Vânia (PSB-GO) teceu elogios à administração de Hildo do Candango na tribuna do Senado, destacando o trabalho do prefeito de Águas Lindas de Goiás.
A senadora destacou que o prefeito Hildo do Candango “concilia planejamento eficiente e gestão criteriosa, conseguindo resultados inesperados para a população”. Entre outras realizações, ela citou a construção de Unidades Básicas de Saúde, a ampliação das vagas no ensino básico e nas creches, as obras de saneamento básico, tratamento e abastecimento de água, a iluminação da BR-070 e a criação de uma guarda municipal e de uma patrulha escolar.
Lucia Vânia é conhecedora dos graves problemas enfrentados pela população e dos gestores dos municípios que compõe a Região Metropolitana do Distrito Federal, sendo ela participante ativa da criação da Lei que constituiu a RIDE. “É super gratificante ver uma cidade como Águas Lindas de Goiás, até então uma cidade-dormitório, uma cidade-problema, se transformar numa cidade onde a população tem orgulho de dizer que ali mora, que ali educa seus filhos e que ali tem uma saúde de qualidade”, afirmou a senadora.
“Como é importante para toda a nossa equipe um elogio como este. É a demonstração clara do reconhecimento de autoridades das mais variadas esferas, do esforço e da gestão séria que estamos conduzindo e que vem transformando para melhor a realidade de nossa população. Em pouco tempo, com todo o nosso esforço Águas Lindas de Goiás será referência na área da saúde, da educação e principalmente no quesito de aplicação dos recursos públicos. Só tenho a agradecer à senadora Lúcia Vânia por este reconhecimento”, disse o prefeito Hildo do Candango ao receber a notícia do discurso da senadora.

Lúcia Vânia aproveitou para cumprimentar os prefeitos que viajaram até Brasília para a Marcha dos Prefeitos, em que reivindicaram do Congresso, soluções para a retração de receitas dos municípios que estão dificultando severamente o equilíbrio das contas públicas.

Já é natal em Pirenópolis

 A noite de quinta-feira, 23 de novem - bro, foi movimentada para moradores e turistas que já estavam em Pirenópolis, a cerca de 130 quilô- metros de Goiânia e a 150 km de Brasília, que prestigiaram a inauguração da iluminação de natal com mais de quatro mil metros de cordas de LED na praça da Igreja do Bon m, conhecido como Largo do Bon m. É a maior ilumi - nação temática que a pra- ça já recebeu. A decoração incluiu formato de estrelas luminosas para adornar as palmeiras, a Igreja do Bon- m, a edi cação sede do Divino Lounge Café, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e uma árvore de natal com mais de seis metros de altura, que foi montada também no local. O proje - to luminotécnico prestigia e dá destaque à arquitetura colonial das edi cações, além das palmeiras impe - riais que compõem a fachada da Igreja do Bon m. “O espaço cou muito bonito. A iluminação deu destaque para nossa arquitetura, mostrando que é possível unir o novo com o colonial, sem perder nossa essência”, disse o prefeito de Pirenópolis, João Batista Cabral, que fez o primeiro acendimento das luzes. Com o apoio da prefeitura e do pároco Augusto Gon- çalves, a iniciativa foi do grupo empreendedor que está à frente do Quinta Santa Bárbara, um resort eco sustentável que está sendo construído ao lado da Igreja do Bon m. “Como empreendedores do turismo com mais de 30 anos de experiência, sabemos da importância de se contribuir com a cultura, a beleza e as tradições da cidade, no sentido de sempre enaltecê-la e torná-la um ambiente cada vez mais agradável”, salientou Josemar Borges, um dos diretores do empreendimento. O projeto de ilumina - ção foi desenvolvido pela equipe do cenógrafo Ricardo Grillo, que acumula 35 anos de experiência no segmento de iluminação e montagem de cenários de apresentações artísticas em todo País. Mais de 15 técnicos, entre eletricistas e cenotécnicos, participaram da monta - gem, que levou aproxima - damente sete dias para conclusão. Toda instala- ção foi feita com ilumina- ção de LED que consome até 70% menos de eletricidade e garante melhor luminosidade. O consu - mo de energia será custeado pelo Divino Lounge Café, que integra o projeto do Quinta Santa Bárbara Eco Resort e já está em funcionamento. As luzes serão ligadas todos os dias a partir das 20h.

Hildo do Candango e Rodrigo Rollemberg realizam entrega da Vicinal 533 e da ponte de Padre Lúcio



Na manhã chuvosa da última sexta-feira (24), o prefeito Hildo do Candango participou da solenidade que marcou a entrega das obras da Vicinal 533 e da Ponte que liga Padre Lúcio a Brazlândia. O evento também contou com a presença do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, dos deputados distritais, Luzia de Paula e Juarezão, do secretário de mobilidade do GDF, Marcos Dantas, e do diretor geral do DER/DF, Henrique Ludovice, do presidente da Câmara Municipal de Águas Lindas, Rogemberg Barbosa, e dos vereadores Tim Da madeireira, Aluísio da Artec, Jorge Amaro, Jota Barros.
O prefeito Hildo do Candango destacou a importância desta obra tão esperada pela comunidade da região. “Não tem motivo maior de ter um mandato senão for para ajudar a população. E quando a gente chega neste momento, em que podemos ver o nosso trabalho concretizado, a gente vê que vale a pena tanto esforço, tanto trabalho. Final de semana, madrugadas e noites estendidas. Mas aqui é o ato concreto da ação de um governo que trabalha pelo povo. É por isto que quero agradecer aos homens e mulheres deste bairro que acreditaram. Rodrigo Rollemberg não vem nesta região somente como governador, ele vem nesta região há muitos anos, andou pelas ruas de Águas Lindas, conheceu a realidade e nós fizemos um grande ato juntos, que vai ficar marcado na historia do dois estados, Distrito Federal e Goiás, e para o Brasil, que foi o Sistema de Esgotamento Sanitário de Águas Lindas. Obrigado governador por ser um irmão, um companheiro de nossa cidade. Trago aqui o abraço do governador Marconi Perillo e do vice-governador, Zé Eliton, que estão em outra solenidade. Hoje estamos realizando a inauguração do lado do Distrito Federal, e em breve o governador o convidará para participar também da inauguração do lado de Goiás. Um avanço para a região”, disse o prefeito Hildo.

A ponte tem 28 metros de extensão, com caixas de retenção de líquidos perigosos e contenção de passagem de fauna pela Vicinal 533. São duas faixas de rolamento com 3,5 metros contendo faixa de segurança de 1,5 metro nos dois lados e, ainda, a previsão de passagem de pedestre com largura de 1,5 metro coincidente com a ciclovia apresentada no bordo direito da pista. O valor total do contrato é proveniente do orçamento do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), no valor de R$ 1.300.131,23. Já as obras de pavimentação da rodovia Vicinal 533, no valor de R$ 5.405.070,40, englobam os serviços de terraplenagem, pavimentação, paisagismo, drenagem, obras complementares e sinalização.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Em Águas Lindas de Goiás, o desenvolvimento é crescente

A cidade do Entorno do Distrito Federal que mais se desenvolveu nestes últimos anos foi Águas Lindas de Goiás, que deu um salto para o futuro. Um avanço jamais visto na história de sua existência. A cidade que outrora era palco de notícias negativas, de retrocesso, hoje aparece como uma das melhores cidades para se viver, com uma infraestrutura de dar inveja às grandes cidades do país.
As obras de saneamento básico, que são essenciais à sobrevivência do ser humano, foram feitas, contribuindo para a saúde da população. O prefeito Hildo do Candango, ao tomar posse em seu primeiro mandato, priorizou áreas, buscou investimentos, aplicou com seriedade, e hoje Águas Lindas de Goiás pode respirar o ar de uma cidade em crescimento com planejamento.

Novos projetos já estão sendo implantados neste segundo mandato do prefeito Hildo com obras modernas e inovadoras, priorizando a mobilidade urbana sem deixar de atender as demandas da área rural, com estimulo aos moradores que terão um dos melhores transportes públicos da região, com água potável de qualidade e com o lixo sendo reciclado por meio da coleta seletiva.

Hospital em prol da campanha Novembro Azul

Os colaboradores do Hospital Estadual de Doenças Tropicais dr. Anuar Auad (HDT) se vestiram com peças de roupa azul nesta segunda-feira (20 de novembro) com o intuito de conscientizar servidores, pacientes e visitantes sobre a campanha contra o câncer de próstata, Novembro Azul, que alerta sobre a saúde do homem. No Brasil, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata. Segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (13.772 casos/ano), a doença representa 28,6% dos casos de câncer no homem. Por isso, no mês que é dedicado à conscientização dos homens sobre a prevenção e cuidados contra a enfermidade, o hospital também segue com a fachada iluminada na cor símbolo da campanha até dia 30 (quinta-feira).

Obra da Praça da Bíblia está em fase final de execução

As obras da nova praça de convivência, conduzidas pela Prefeitura de Águas Lindas de Goiás, estão em estágio avançado e se encaminham para a sua finalização. Conhecida popularmente como Praça da Bíblia, a obra está orçada em R$ 583 mil. A expectativa do prefeito Hildo do Candango é que ela esteja finalizada até o final de novembro.
“Será um lindo espaço de convivência onde as famílias poderão levar suas crianças para passear e praticar atividades físicas. Temos nos empenhado em buscar investimentos que modifiquem a urbanidade de nossa cidade com infraestrutura e espaços de lazer. Temos outros projetos que estamos encaminhando e nossa meta é transformar a cidade de Águas Lindas num referencial de gestão pública realizadora”, disse o prefeito.

Os recursos para execução desta obra são oriundos do Ministério das Cidades, por meio de emendas parlamentares dos deputados federais João Campos e Ronaldo Fonseca. Estas emendas parlamentares estão chegando ao município graças ao empenho do prefeito Hildo do Candango em manter ajustadas as contas públicas municipais, o que garante as emissões das certidões necessárias para a liberação dos recursos.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Prefeitura e Caixa Econômica Federal disponibilizarão as escrituras para os bairros Residencial Bethel e Jardim Barragem VI

A Prefeitura de Águas Lindas de Goiás, em parceria com a Caixa Econômica Federal, disponibilizará a escritura dos imóveis localizados nos bairros Residencial Bethel e Jardim Barragem VI. No Residencial Bethel, 304 imóveis serão contemplados. O trabalho está sendo realizado de forma intensa pela Prefeitura, por meio de suas Secretarias de Fazenda e Planejamento e de Habitação e Integração Fundiária.
Segundo o prefeito Hildo do Candango, o processo de viabilização deste importante documento para os moradores trará a cidadania plena para todos. “É a garantia de que estes imóveis são suas propriedades. Estamos trabalhando para superar algumas dificuldades tais como o débito de IPTU junto ao município, um fator que impede a emissão da certidão negativa, documento fundamental para o registro do imóvel no Cartório”, disse o prefeito.

Estes dois bairros fazem parte de um grande processo de regularização fundiária do município que prevê a regulamentação de 47 setores do município que necessitam desta ação do poder público municipal. Servidores da Secretaria de Habitação e Integração fundiária estão recebendo capacitação para desenvolver o plano de trabalho de acordo com cada bairro. O trabalho será realizado de forma conjunta com a Secretaria Fazenda e Planejamento do município.

Prefeitura realiza capacitação de servidores para atingir gestão moderna e eficiente


O Auditório da Secretaria de Educação recebeu servidores de todas as Pastas para um grande treinamento, na manhã desta terça-feira (21), que visa atingir a meta do Programa Gestão Moderna e Eficiente (PGME), conduzido pela Secretaria Municipal Planejamento e Fazenda. A abertura do evento contou com a participação do prefeito Hildo do Candango, da primeira-dama, Aleandra Sousa, do vice-prefeito, Luiz Alberto Jiribita, da diretora do Trabalho, Maria Fábia, e de secretários municipais.
No evento foram ministradas várias palestras de capacitação para os gestores públicos com o tema “Ativando a maior força e liderando mudanças no setor público por meio do Programa Gestão Moderna e Eficiente”. A administração municipal está informatizando todo o sistema das Secretarias, com o objetivo de modernizar as ações e fazer um planejamento focado no desenvolvimento da cidade com eficiência.
“Este é um momento muito importante para a nossa equipe, que busca maior qualificação. Uma equipe de trabalho que vem da primeira gestão e participa de vários cursos visando à capacitação. Mas sabemos que o governo municipal se moderniza a cada dia e hoje a equipe está fazendo este curso para buscar justamente isto, modernização e eficiência na gestão. Nós queremos atender a nossa população com agilidade e celeridade”, disse o prefeito Hildo.

A meta estabelecida pela administração municipal para “Aguas Lindas 2021” foram defendidas pelo titular da Secretaria de Planejamento e Fazenda, Sergio Luiz, com a confecção do PPA. Estas metas relacionam-se entre sim dentro dos eixos social e humano, economia, espaço urbano e meio ambiente, governo e gestão pública. Dentro destes eixos foram construídas 10 metas prioritárias que são elas: ser Polo de saúde no Entorno Sul de Brasília; ser reconhecida pela melhoria da qualidade de ensino; ser reconhecida pela responsabilidade social e pela ética; ser reconhecida pela oferta de mão de obra qualificada; ser reconhecida pelo crescimento e fortalecimento da economia e sustentabilidade das finanças públicas; ser sustentável na utilização dos recursos hídricos e naturais; ser reconhecido pela melhoria na qualidade de vida e do espaço urbano; ser reconhecido pela eficiência dos serviços públicos; ser uma cidade inclusiva com esferas de participações e instrumento de transparência; e por ultimo ser referência estadual no planejamento e gestão dos recursos públicos.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Câmara de Vereadores de Águas Lindas mantém Rogemberg na presidência

Na manhã desta sexta-feira (17), a Câmara de Vereadores realizou a eleição da nova Mesa Diretora, onde o vereador Rogemberg Barbosa (PRB) foi reeleito para ocupar a presidência da Casa com 16 votos a favor, dois contra e uma abstenção.
Rogemberg é tido como um dos presidentes do Legislativo Municipal mais atuante da Região do Entorno. Em Águas Lindas, sempre aparece como um dos mais votados. Em seu quinto mandato consecutivo, Rogemberg é um político comprometido com a cidade.
O presidente reeleito ficará à frente dos trabalhos da Câmara no ano de 2018, e prometeu continuar atuante. “Meu objetivo sempre foi o povo, e é por isso que estou nesta Casa, pois acredito que posso contribuir para a construção de uma sociedade melhor”.
O que chama atenção na presidência de Rogemberg é o seu bom trâmite com os pares e principalmente com o Executivo, que segundo ele tem sido um dos mais atuantes em Águas Lindas. “Como eu sempre disse, luto pelo meu povo, e enquanto o Executivo continuar com este objetivo nossos desejos serão os mesmos. O prefeito Hildo do Candango tem o meu apoio, e os projetos que beneficiam a nossa cidade serão bem representados por mim na Câmara”, completou o presidente do Legislativo, Rogemberg.

A Mesa Diretora ficou composta assim: Presidente Rogemberg Barbosa (PRB), vice-presidente Jota Barros (PTN), 2° vice-presidente Aluísio da Artec (PSC), 1° secretário Everaldo Veículos, 2° secretário Jacó do Esperança (PTC), 3° secretário Oliveira Júnior (PPS), e corregedor Evandro do Rainha da Paz (PSB).

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Servidores municipais de Águas Lindas participam evento da AGEHAB sobre o Cartão Reforma do Governo Federal

A cidade de Águas Lindas integra a lista de 87 municípios que receberão o programa Cartão Reforma do Governo Federal, por meio do Ministério das Cidades. A equipe da Prefeitura de Águas Lindas de Goiás, coordenada pelo secretário de Habitação e Integração Fundiária, Giovanne Machado, participou do evento promovido pela AGEHAB, que contou ainda com a participação de prefeitos, secretários e técnicos de municípios, na ultima terça-feira (13).
A reunião aconteceu no auditório da AGEHAB, onde foram abordadas questões como regularização fundiária, prazos e critérios para seleção dos beneficiários foram discutidas, além de orientações sobre o cadastramento dos 87 municípios selecionados pelo Ministério das Cidades para o repasse de recursos do programa Cartão Reforma. As inscrições para as prefeituras que estão aptas a receber o cartão começaram no dia 8 e vão até 19 de novembro.
O prefeito de Águas Lindas, Hildo do Candango, destacou a importância da ampliação do programa. “Somos gratos pela inclusão de nosso município no programa e acredito que o Cartão Reforma precisa chegar a todo o país. Este é o exemplo de que o Estado de Goiás dá ao país, já que este programa foi inspirado no cheque reforma instituído aqui no estado pelo governador Marconi Perillo”, disse Hildo.

O Cartão Reforma possibilita a compra de materiais de construção para obras em residências para as famílias com renda mensal de até R$ 2.811. Mais de 16 mil famílias serão beneficiadas com o programa em Goiás. Em todo país, 1.923 municípios foram selecionados para essa primeira etapa, sendo 87 em Goiás, segundo critérios do Ministério das Cidades, entre eles, combater o déficit habitacional qualitativo. As prefeituras serão responsáveis pela coordenação do programa.

Terracap realiza consulta pública de edital de parceria para o ArenaPlex


A Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), realiza, a partir de 16 de novembro, próxima quinta-feira, consulta pública para divulgação da minuta de edital de concorrência para concessão de uso de bem público, com o objetivo de estabelecer parceria com a iniciativa privada para a gestão, manutenção, operação e modernização do Centro Esportivo de Brasília (ArenaPlex).

Esse procedimento busca obter contribuições para aprimorar o futuro processo de concorrência pública nacional. O edital estará disponível no site www.terracap.df.gov.br. Os interessados podem enviar sugestões até 16 de dezembro de 2017, por meio do e-mail parcerias@terracap.df.gov.br ou de documento impresso entregue no protocolo geral da empresa, que fica no SAM Bloco F, atrás do anexo do Palácio do Buriti. 

O edital usa como base o modelo de negócio proposto pela Dobois & Co, empresa habilitada no Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), lançado em 2016. Os estudos apresentados propõem um conjunto de atividades sinérgicas entre a operação das atuais arenas e a implantação de uma operação imobiliária, a exemplo dos estádios mais modernos do mundo, os quais são cercados de equipamentos de entretenimento e lazer, além de serem integrados no cotidiano e na vida dos cidadãos.

A proposta conceitual prevê a implantação de um “Boulevard Monumental”, com investimento estimado em R$ 200 milhões, e geração de quase 4 mil postos de trabalho. Respeitando a preservação da escala bucólica, essa solução prevê pequenas edificações esparsas, sem concentração construtiva, com espaços públicos arborizados destinados à proteção paisagística e ao lazer.

O projeto considera também a instalação de restaurantes, bares, lanchonetes, academias, cinema, teatro, clínicas e lojas para atender a população do DF e de turistas.

Atualmente, o projeto encontra-se na fase de modelagem final dos estudos recebidos e de definição das diretrizes urbanísticas pela Secretaria de Estado de Gestão do Território e Habitação (SEGETH).

A Terracap também encaminhou ao IPHAN uma proposta com as diretrizes urbanísticas que irão nortear a licitação e o concurso público de arquitetura e urbanismo, a ser realizado após a assinatura do contrato de concessão, a fim de escolher o melhor projeto para o local, que deve estar devidamente alinhado ao projeto de negócio do licitante vencedor e apresentar sustentabilidade econômico-financeira.

Ascom/Terracap
61-3342-2328/1137

Investimento público cai em 2017 e voltará ao nível dos anos 1990, diz estudo do Senado

Todas são classificadas pelos economistas como investimentos. Algo que se gasta hoje com o objetivo de obter algum benefício no futuro. Pois a crise econômica recente fará com que o investimento do setor público no Brasil retorne ao patamar (em termos relativos) da década de 1990. É o que diz o economista Rodrigo Orair, diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão de pesquisa ligado ao Senado Federal. A BBC Brasil teve acesso a um estudo inédito da IFI, a ser divulgado na manhã desta segunda-feira. O levantamento mostra que, nos governos dos Estados, o nível dos investimentos já retornou ao patamar da década de 1990. O investimento de todos os governos estaduais somados caiu de R$ 57,8 bilhões em 2014 para R$ 28,7 bilhões acumulados em 12 meses até junho de 2017, segundo o levantamento da IFI. De 1994 a 2000, o investimento mé- dio dos Estados ficou em R$ 30,6 bilhões por ano, em valores corrigidos. O investimento dos Estados deve fechar este ano em 0,4% do PIB, que é a soma de tudo que o país produz. Em 2014, a cifra era de 1%. O mesmo deve se repetir no governo federal e nos municípios, segundo Orair, pesquisador que já estudava o tema no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) há quase dez anos, desde 2009. A preocupação com a queda do nível de investimento não deveria ser só de economistas. A falta de investimentos em geração e distribuição de energia ao longo dos anos 1990, por exemplo, fez com que o país enfrentasse um racionamento severo de energia elétrica de julho de 2001 a fevereiro de 2002. Depois de atingir um pico em 2014, os investimentos públicos come- çaram a cair já em 2015, ainda no governo de Dilma Rousseff (PT). O episódio ficou conhecido como crise do “apagão”. O economista Delfim Netto chegou a calcular que cada brasileiro perdeu R$ 320 por causa da crise energética. VAI PIORAR EM 2018 Em 2017, o que derrubou as contas públicas foi a queda da arrecadação de impostos, após três anos de recessão. Embora a crise tenha acabado oficialmente, a expectativa é que o baque maior nos investimentos venha em 2018. É só no ano que vem que as contas públicas sofrerão os efeitos mais drásticos do Novo Regime Fiscal, conhecido como “PEC do Teto”. A PEC do Teto determina que as despesas públicas só podem crescer até o limite da inflação do ano anterior. Como em 2016 a inflação estava relativamente alta (6,29%, segundo o IBGE), o efeito de compressão do Orçamento foi pequeno. Em 2017, a alta de pre- ços deve ser bem menor (abaixo de 3%, segundo o boletim Focus do Banco Central), criando um teto bem mais baixo para os gastos, diz Orair. Se o Orçamento como um todo sofrerá um achatamento, o efeito será ainda maior nos investimentos, já que gastos de outras áreas (principalmente salários e Previdência) são obrigatórios e continuarão crescendo. Segundo o economista Gil Castelo Branco, da ONG Contas Abertas, as indicações de uma queda ainda mais abrupta nos investimentos em 2018 já podem ser vistas no projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) do ano que vem. A Ploa é enviada pelo Executivo ao Congresso e, depois de aprovada, torna- -se o Orçamento da União para o ano seguinte. Os investimentos da União previstos na lei de 2017 eram de R$ 129,1 bilhões. Em 2018, caí- ram para R$ 98,6 bilhões (24% menor). Gil Castelo Branco calculou a diminuição dos investimentos em dez áreas, tomando como base as leis orçamentá- rias de 2017 e 2018. Algumas das mais relevantes, segundo ele, serão o saneamento básico (32% a menos); o ministério da Educação (37% a menos) e o DNIT (ligado ao ministério dos Transportes), com 25% a menos. Os dados foram apresentados por Gil em uma palestra recente na Funda- ção Getúlio Vargas (FGV). PREJUDICANDO NOSSOS FILHOS E NETOS “Como o investimento tende a beneficiar mais as gerações futuras e não a atual, é geralmente a área mais atingida”, diz ele. “O corte no investimento impacta pouco a prestação atual dos serviços. Entre fechar a escola, fechar o hospital, e cancelar a obra, o governo opta pela obra”, acrescenta. O problema, diz Orair, é que para retomar os mesmos investimentos mais tarde há gastos adicionais e desperdício. O exemplo mais fresco na memória dos brasileiros talvez seja uma parte das obras de mobilidade urbana criadas para a Copa do Mundo de 2014 - uma parte dos projetos se converteu em esqueletos de concreto sem utilidade. Outras foram inauguradas com atraso de anos. Um exemplo é o Ve- ículo Leve sobre Trilhos de Cuiabá (MT), que já consumiu mais de R$ 1 bilhão e ainda não foi inaugurado. A infraestrutura do país e dos serviços públicos também vai se comprometendo sem novos investimentos. Isto prejudica a capacidade do país de garantir direitos como saúde, educação e outros, diz Gil. MAIS DESPESAS OBRIGATÓRIAS “Na realidade já tem algum tempo que as despesas obrigatórias (como salários) crescem continuamente, comprimindo as demais, principalmente os investimentos”, explica Gil. Segundo ele, cerca de 90% das despesas primárias (isto é, sem contar a dívida pública) são obrigatórias. Segundo Rodrigo Orair, o investimento público no país está em trajetória de queda (relativamente ao tamanho do PIB) desde os anos 1980. Chegou ao nível mais baixo em 2003 e 2004, no começo do governo do ex-presidente Lula (PT), quando houve forte ajuste fiscal. E se recuperou desde aquela época até o começo da crise, em 2015. Em nota à reportagem da BBC Brasil, o Ministé- rio do Planejamento informa que o governo teve de cortar despesas depois que a arrecadação em 2017 ficou abaixo do previsto no Orçamento. “Observado o fraco desempenho das receitas públicas e em busca de assegurar o cumprimento das metas fiscais, o governo federal se viu obrigado a fazer contingenciamentos de recursos”, diz o texto. “Como, hoje, mais de 90% do orçamento federal corresponde a despesas obrigatórias ou não contingenciáveis, resta ao governo a obrigação de contingenciar os outros menos de 10% que corresponde a despesas de custeio e a despesas discricionárias (a maior parte delas diz respeito ao funcionamento da máquina pública)”, diz o texto do Planejamento.

Prefeitura de Águas Lindas intensifica a Operação Cidade Limpa

A Prefeitura de Águas Lindas de Goiás, por meio de sua Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, está intensificando os trabalhos da Operação Cidade Limpa, que atenderá todos os bairros da cidade. Atualmente, as equipes da Secretaria estão na região do Jardim Brasília e Jardim Barragem de I ao V, onde os logradouros públicos recebem limpeza com recolhimento de entulho, roçagem dos lotes, recuperação de passeio, reparos nas bocas de lobo, recuperação asfáltica, entre outras obras.
O secretário de Obras, José Fernando (Dinando), informou que a equipe coordenada pelo senhor Joaquim Pereira tem realizado importantes trabalhos em vários pontos da cidade. “A participação da comunidade nos processos de preservação e de limpeza destas localidades é muito importante. Infelizmente percebemos que, em vários destes locais, o vandalismo ocasionou sérios prejuízos e o lixo jogado em locais inadequados está trazendo um grande desconforto para a própria comunidade. Lixo tem que ser jogado no lixo”, disse o secretário.

As equipes da Secretaria de Obras seguem realizando a limpeza urbana e a reconstrução das bocas de lobos para contribuir para o escoamento adequado da água da chuva. De acordo com Dinando, os trabalhos da Operação Cidade Limpa seguirão por toda a cidade.


Aleandra Sousa é destaque no Social de Águas Lindas de Goiás

Uma das áreas que mais cresceu em termos de melhorias, investimentos e atendimento ao público em Águas Lindas de Goiás foi a social. Isso graças ao trabalho da secretária de Assistência Social, Aleandra Sousa, que tem se destacado, pelo seu trabalho sério e competente.
Aleandra Sousa não mediu esforços e foi atrás dos programas sociais, dos convênios e dos projetos para serem aplicados e investidos no município. A secretária fez uma revolução no social da cidade e hoje é referencia em todo o Estado de Goiás. Muitos municípios se espelham em Águas Lindas de Goiás e levam os exemplos para serem aplicados.

Devido a este trabalho, Aleandra Sousa é destaque no município e seu nome tem sido lembrado por todos quando o assunto é assistência social, pois ela vem deixando suas marcas a cada dia que passa.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Registros de estupro crescem 31% no DF em 2017; homicídios caem

 Com um aumento de 31,3%, a quantidade de casos registrados de estupro foi o único índice criminal do Distrito Federal (DF) que apresentou crescimento nos primeiros dez meses do ano, na compara- ção com o ano passado. As informações foram apresentadas ontem (7) pelo governo distrital, que reuniu as estatísticas criminais da região e do programa local Viva Brasília aos dados do 11º Anuário Brasileiro da Segurança Pública, do Fó- rum Brasileiro de Segurança (FBSP), divulgado no final do mês passado. Em 2016, no acumulado de janeiro a outubro, 566 estupros foram contabilizados no DF, número que pulou para 743 neste ano. O dado compreende os casos comunciados à polícia neste período, ou seja, inclui crimes que podem ter acontecido em meses anteriores. De acordo com o balanço, foram cometidos, nos mesmos períodos de 2016 e 2017, 509 e 569 estupros, respectivamente. Na avaliação da especialista de assistência social da Secretaria de Estado de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Miriam Pongaag, o crescimento dos registros está relacionado a uma maior disposição das vítimas em denunciar os casos. Ela cita como exemplo a campanha contra a explora- ção sexual de crianças e adolescentes realizadas no 18 de maio, em que palestrantes vão a escolas da cidade orientar o público sobre o assunto. “É muito comum que, ao final dos encontros, dos atendimentos, venham e digam ‘Meu pai faz isso comigo. Meu tio faz isso comigo’, principalmente crianças. O conhecimento, a desnaturalização dessa violência, ouvir as pessoas falarem pode contribuir, sim, para um aumento de registros”, relatou. Miriam, porém, reconhece que o estupro continua sendo uma agressão subnotificada, opinião compartilhada pelo secretário de segurança do DF, Edval Novaes Júnior. Ele afirmou que o crime de estupro “acontece entre quatro paredes”. “É uma coisa muito cultural no país e que faz com que as pessoas envolvidas não queiram fazer o registro”, disse o secretário. Do total dos casos registrados, 66% das ví- timas tinham vínculo com o autor do crime. Nos casos classificados como “estupro de vulnerável”, que envolve menores de 14 anos, o índice sobe para 93%. AVANÇOS O monitoramento também registrou, entre janeiro e outubro de 2017, a menor taxa de homicí- dios dos últimos 17 anos no DF. Em 2017, no perí- odo examinado, 405 pessoas foram assassinadas. “Nós estamos reduzindo a quantidade de homicídios (-18,4%), de latrocínios (-18,4%), roubo a transeunte (-3,3%), a roubo de ve- ículos (-13,8%), roubo em transporte coletivo (-5,3%), em comércio (-22,5%), em residência (3,7%), furto em veículo (-4,9%), tentativas de homicídio (-0,8%) e de latrocínio (-9,6%)”, comentou o secretário de segurança, mencionando os acumulados dos dois anos observados. Em 74% dos crimes, os autores já tinham passagem pela polícia.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Estado de conservação das rodoviais piora em 2017, diz CNT

O estado de conservação das rodovias brasileiras piorou em 2017 se comparado com o ano anterior. É o que mostra a pesquisa sobre a malha rodoviária nacional que a Confederação Nacional do Transporte (CNT) realiza anualmente, com apoio do Serviço Social do Transporte (Sest) e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat). Divulgada a 21ª edi- ção do levantamento aponta que o país precisaria investir quase R$ 294 bilhões para ter uma infraestrutura rodoviária adequada à demanda nacional. Além da queda na qualidade do estado geral das rodovias pesquisadas e da falta de investimentos, a pesquisa identi cou 363 trechos de rodovias com pontos que, segundo a CNT, representam grave riscos à segurança dos usuários e queda da e ciência do transporte. Ao longo de 30 dias, pesquisadores percorreram 105,8 mil quilô- metros – 2,5 mil quilô - metros a mais que em 2016. Toda a extensão pavimentada das rodovias federais e as principais rodovias estaduais do país foram avaliadas. Segundo o diretor executivo da CNT, Bruno Batista, a queda na qualidade do estado geral das rodovias está demonstrada no fato de, este ano, os pesquisadores terem classi cado 61,8% da extensão pesquisada como regular, ruim ou péssima e apenas 38,2% como boas ou ótimas. Em 2016, estes índices eram de, respectivamente, 58,2% e 41,8%. O aspecto em que o índice mais se deteriorou foi o relativo à sinalização. O percentual da extensão de rodovias com sinalização considerada como ótima ou boa caiu para 40,8%, frente aos 48,3% alcan- çados no ano passado. Dessa forma, aumentou para 59,2% o percentual de sinalização regular, ruim ou péssima. Outro quesito mal avaliado diz respeito à durabilidade do pavimento das rodovias bra - sileiras. Segundo a CNT, o país ainda emprega uma metodologia ultra - passada na execução das obras. Isso, de acordo com a entidade, é ainda mais comprometido por falhas no gerenciamento, scalização e manu - tenção das rodovias. ACIDENTES As falhas concorrem para o surgimento de “situações atípicas”, que é como a pesquisa classi ca ameaças à segurança dos usuários das estradas federais ou administradas por em - presas concessionárias. São quedas de barreiras, pontes caídas, trechos erodidos e buracos que comprometem faixas de rodagem, “levando a um aumento dos custos operacionais da movi - mentação de cargas e de passageiros resultante do prolongamento do tempo de viagem e do maior consumo de com - bustível”, mostra estudo. A pesquisa indica que, em 2016, o número de acidentes em rodovias federais caiu pelo segundo ano consecutivo. Para Bruno Batista, no entanto, essa queda se deve à mudança de metodologia na forma como a Polícia Rodovi- ária Federal (PRF) computa as ocorrências. “A partir de 20015, a Polícia Rodoviária alterou a forma de registro dos acidentes. As pessoas que se envolvem em acidentes sem vítimas passaram a ter que registrá-los. Acreditamos que isso ajude a explicar essa queda grande dos números, já que não houve nenhuma razão técnica, nenhum incremento em medidas de segurança, que expliquem esse fato”, comentou Batista ao comparar os 96,3 mil acidentes e 6.398 mil mortes do ano passado com os cerca de 121 mil acidentes e 6.837 mil óbitos divulga - dos em 2015. Em 2014, foram registrados 169 mil acidentes. A pesquisa aponta que ao passo em que foram investidos R$ 8,61 bilhões em melhorias e conservação das rodovias federais, só os acidentes registrados no ano passado custaram R$ 10,88 bilhões. Valores que se somam às perdas com o aumento do custo operacional para as transportadoras de cargas e de passageiros. A estimativa é que, apenas em 2017, 832,3 milhões de litros de diesel tenham sido desperdi- çados em função da má qualidade das rodovias, o que custou R$ 2,54 bilhões às transportadoras. “A má qualidade das rodovias brasileiras oneram o transporte rodovi- ário em 27%, na média. Média, pois há rodoviais da Região Norte que chegam a elevar em até 33% o custo da operação”, a r - mou o presidente da seção de Transporte Rodoviário de Cargas, Flávio Benatti. “Isso demonstra o chamado Custo Brasil e a realidade do nosso país. Não teremos crescimento adequado se não olharmos para a questão da infraestrutura de transporte como um todo. E o [mo - dal] rodoviário, que res - ponde por 60% do volume de carga transportada [e 95% do de passageiros] precisa ser visto pelo governo com outros olhos”, acrescentou Benatti, destacando que, historica - mente, o governo federal deixa de executar cerca de 30% do orçamento aprovado para a infraestrutu - ra rodoviária. “São verbas aprovadas que, por falta de gestão, não foram gastas. É uma situação muito grave,” disse. SOLUÇÕES Para a CNT, é urgente a implementação, pelo governo federal, de um plano para reparar os principais problemas identi cados na pesquisa, dentre os quais, a reconstrução de 1.136 quilômetros de rodovias onde a superfície do pavimento está destruída e a restauração de 27.681 quilômetros de malha onde foram identi - cadas trincas, remendos, afundamentos, ondula - ções ou buracos; além da construção de acostamentos em 47.270 quilômetros e a pintura de faixas centrais e laterais onde estas não existem. Além disso, a confederação defende o fortalecimento dos órgãos públi - cos que atuam no setor, como o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes
(Dnit) e a PRF; a modernização dos sistemas de scaliza- ção e controle de obras públicas de infraestrutura rodoviária e a reformula - ção do modelo brasileiro de concessões rodoviárias como forma de estimular os investimentos privados. “O quadro se agrava a cada dia, pois os investimentos feitos pelo governo são poucos. E as concessões feitas há três, quatro anos, foram feitas apenas para mexer com valores de tarifas, e não com um plano de investimentos”, acrescentou Benatti

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

CUNHA DIZ QUE MPF E JOESLEY FORJARAM COMPRA DE SILÊNCIO PARA INCRIMINAR TEMER

O deputado cassado Eduardo Cunha afirmou hoje (6) que o Ministério Público Federal (MPF) e o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, forjaram uma suposta compra de seu silêncio, para poder incriminar o presidente Michel Temer.
“Não existe essa história de dizer que estou em silêncio porque estou recebendo para não delatar. Parte disso é forjado para imputar crime ao Michel [presidente Michel Temer] no atual mandato”, afirmou Cunha. “Deram uma forjada, e o seu Joesley foi cúmplice dessa forjada, e está pagando por isso agora.”
A suposta compra do silêncio de Cunha embasou uma das denúncias do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer, após Joesley ter gravado uma conversa em que o presidente aparentemente daria sua anuência a pagamentos para o ex-deputado.
O ex-deputado, que se encontra preso preventivamente após ser condenado em primeira instância na Lava Jato, foi interrogado nesta segunda-feira (6) pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, responsável pela Operação Sépsis, que apura casos de corrupção na vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal.
Cunha negou qualquer envolvimento com pagamentos de propina por empresas e disse desconhecer os supostos desvios na Caixa, classificando de “ridícula” a suposição de que receberia dinheiro para não delatar Temer no esquema.
Como meio de demonstrar que não está recebendo por seu silêncio, Cunha disse viver atualmente em “situação de absoluta penúria”, não tendo condições de sequer pagar os honorários de seus advogados.
Impeachment
O ex-deputado negou ainda ter pedido dinheiro para comprar o impeachment da então presidente Dilma Rousseff, crime do qual foi acusado na delação premiada de seu ex-operador financeiro Lúcio Funaro.
“É ridícula a afirmação dele de que pedi dinheiro para o impeachment”, disse Cunha. “Cadê a mensagem de que eu pedi? Cadê a mensagem de que paguei? Nessa data do impeachment tinha seis meses que não encontrava ele [Funaro].”
O depoimento de Cunha na ação penal resultante da Operação Sépsis continua ao longo desta segunda-feira. Outros três réus já foram ouvidos na semana passada - além de Funaro, Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa, e Alexandre Magotto, ex-funcionário do corretor de valores. O ex-ministro Henrique Eduardo Alves, também réu, será o último a ser interrogado.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Governo anuncia novo concurso para delegado, escrivão e agente da PC

O governo de Goiás vai realizar dois novos concursos, um para delegado e outro para agente e escrivão da Polícia Civil. O anúncio foi feita nesta terça-feira (31), em solenidade realizada no Centro de Esportes e Lazer da seccional goiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO)/Casag, em Aparecida de Goiânia, pelo vice-governador José Eliton (PSDB). Serão ofertadas 100 vagas para delegados e 300 a 400 para agentes e escrivães. Na ocasião também foi realizada a solenidade de formatura de 400 novos policiais civis, e autorizada a promoção para a PC. O vice-governador ainda anunciou a criação de novas delegacias especializadas, como a de crime cibernético, para as pessoas com deficiência e uma especializada nos idosos. SUSPENSO Devido a fraudes, o último concurso para delegado foi suspenso. O Ministério Público inclusive recomendou a anulação do certame. Na segunda-feira (30) as polícias civis de Goiás e do Distrito Federal cumpriram sete mandados de prisão contra pessoas envolvidas em esquema de fraude em concurso público, incluindo o realizado em Goiás para delegado. De acordo com o delegado responsável pelas investigações em Goiás, Murilo Matos, os 13 primeiros colocados na primeira fase do concurso foram os mesmos concorrentes que compraram as vagas. A expectativa é de que o certame seja anulado mesmo ao final das investigações. Os alvos da operação responderão pelos crimes de fraude, corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Leia também