.

.

Hora Certa pra você

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Prefeitura tem diretrizes para Vigilância, Atenção e Eliminação da hanseníase em Águas Lindas

Por meio da Secretaria de Saúde e do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, a 
prefeitura de Águas Lindas intensifica os trabalhos de Vigilância, Atenção e 
Eliminação da hanseníase no município.
A Prefeitura fornece subsídios, apoio e orientação aos profissionais que atuam 
na Vigilância em Saúde, Atenção Básica e demais níveis no que se refere às 
diretrizes para vigilância, assistência e à eliminação da hanseníase como 
problema de saúde pública. Os trabalhos são produzidos a partir do 
levantamento e da análise e de vigilância, sugeridos pelo Ministério da Saúde e 
Organização Mundial da Saúde (OMS), voltados ao tratamento da doença.
Para o prefeito Hildo do Candango o enfrentamento resulta em esforços da 
equipe técnica que compõe a Coordenação-Geral de Hanseníase e Doenças 
em Eliminação/Departamento de Vigilância das Doenças 
Transmissíveis/Secretaria de Vigilância em Saúde/Ministério da Saúde 
(CGHDE/DEVIT/SVS/MS), instituições parceiras, colaboradores e 
especialistas.
“Desta forma, espera-se que este trabalho contribua para a uniformização do 
atendimento ao paciente acometido pela doença, nos diversos âmbitos de 
atenção à saúde, bem como dos procedimentos de vigilância em hanseníase, 
tendo por finalidade primordial a redução da carga de doença”, explicou Hildo.
O prefeito destacou ainda a importância do programa de educação em saúde, 
dirigida às equipes de saúde, aos casos suspeitos e doentes, aos contatos de 
casos índices, aos líderes da comunidade e ao público em geral que visam 
prioritariamente: incentivar a demanda espontânea de doentes e contatos nos 
serviços de saúde para exame dermatoneurológico.
Segundo o secretário de Saúde, Eduardo Rangel, é preciso eliminar falsos 
conceitos relativos à hanseníase e isto só é possível com a informação quanto 
aos sinais e sintomas da doença. “A comunidade deve adotar medidas de 
prevenção de incapacidades, estimularem a regularidade do tratamento 
do doente e a realização do exame de contatos, informarem os locais de 
tratamento. Além de orientar o paciente quanto às medidas de cuidado”, 
concluiu Eduardo.
O secretário adjunto de Saúde, James Farias diz que por não existir proteção 
específica para a hanseníase, as ações desenvolvidas para a redução da carga 
da doença incluem as atividades de: educação em saúde, investigação 
epidemiológica para o diagnóstico oportuno de casos, tratamento até a cura, 
prevenção e tratamento de incapacidades, vigilância epidemiológica, exame de 
contatos, entre outras orientações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) Visitante

Deixe seu comentário.
Assim que o ler, publicarei e o responderei.
Volte para saber a resposta.

* Mas qualquer comentário ofensivo e insultuoso será
ignorado e não será respondido.

¸¸.•´¯`•.¸¸•.¸¸.•´¯`• Um abraço¸¸.•´¯`•.¸¸•.¸¸.•´¯`•

Leia também